REQUISIÇÃO

Donos de postos de combustíveis vão à Câmara pedir mudança na Lei de Uso e Ocupação do Solo

Eles querem mudanças no que se refere ao limite permitido para construção desse tipo de empreendimento no Município. (Foto: Arquivo)
Eles querem mudanças no que se refere ao limite permitido para construção desse tipo de empreendimento no Município. (Foto: Arquivo)

Os empresários do setor de combustível estão divididos sobre a permissão para instalação de novos postos na Cidade. Um grupo foi à Câmara Municipal ontem pedir mudança na Lei de Ordenamento do Uso e Ocupação do Solo (Louos) no que se refere ao limite permitido para construção desse tipo de empreendimento no Município. O outro é contra. O assunto será discutido com os vereadores em reunião na próxima terça-feira, às 11 horas, na Casa.

A atual legislação impede a instalação de postos a uma distância mínima de 150 metros de escolas, igrejas, comércio e locais de grande circulação de pessoas. Apesar de ser uma medida de segurança para evitar problemas maiores em caso de explosão e incidentes, eles querem reduzir essa exigência para menos de 100 metros. O grupo contrário é formado por donos de postos já estabelecidos na Cidade.

O assunto também divide opinião dos vereadores. Ontem, eles suspenderam a sessão para tratar do tema, mas a definição ficou para a próxima semana.

Pró-Hiper
Os vereadores também reclamaram ontem de problemas que os atletas do judô enfrentam no Pró-Hiper, no Mogilar. Mauro Araújo (MDB) disse que os alunos estão privados de fazer aulas porque o banheiro não funciona. As torneiras estão sem água e os vasos sanitários interditados, entre outros problemas de falta de manutenção. O secretário municipal de Esporte e Lazer, Nilo Guimarães, explica que há banheiros no andar térreo em condições de uso e que os problemas se concentram no primeiro andar, onde ocorrem as aulas. Ele informa que já está prevista reforma, com a contratação de empresa no início do próximo ano e que busca alternativas para que os alunos não sejam prejudicados.