CRISE

Economista alerta para opções de crédito

ESTRATÉGIA Banco do Povo Paulista disponibiliza uma linha de crédito especial para auxiliar as empresas. (Foto: divulgação)
ESTRATÉGIA Banco do Povo Paulista disponibiliza uma linha de crédito especial para auxiliar as empresas. (Foto: divulgação)

O isolamento social imposto para conter a propagação do novo coronavírus logo trouxe receio em relação à questão econômica. Os trabalhadores autônomos e pequenos empresários deverão ser os maiores prejudicados durante a crise provocada pela doença. Tentando minimizar esses impactos, as instituições públicas e privadas têm adotado uma série de medidas, mas que também exigem cautela por parte dos interessados, principalmente no que diz respeito às linhas de crédito.

Entre as ações propostas pelos bancos estão o aumento no limite do cartão de crédito e do cheque especial, além da prorrogação de pagamentos de parcelas de financiamentos já existentes. “Por mais que eles anunciem medidas, o banco sempre vai cobrar juros e sempre está objetivando obter lucro. Então, é preciso analisar cada caso e entender o que, de fato, está sendo proposto. Se a pessoa realmente precisar utilizar essas saídas, é necessário analisar as condições”, recomenda o economista Arcílio Ruzzi.

ORIENTAÇÃO Ruzzi destaca a necessidade de planejamento. (Foto: arquivo)

O Banco do Povo Paulista, uma parceria entre a Prefeitura e o Governo Estadual, também está com uma linha de crédito especial para auxiliar as empresas no enfrentamento durante este período. Estão sendo disponibilizados em todo o Estado de São Paulo R$ 25 milhões e a taxa de juros foi reduzida de 1% para 0,35%.

As condições são válidas até o dia 30 de abril. O prazo de pagamento também foi ampliado de 24 para 36 meses, já incluindo o período de carência, que também aumentou de 60 para 90 dias. O limite de concessão de crédito sem avalista passou de R$ 1 mil para R$ 3 mil.

“O empreendedor também precisa analisar uma série de fatores. Por exemplo: ‘Caiu o faturamento? Esse faturamento é o suficiente para cobrir minhas despesas?’ Se não for, o crédito pode ser uma solução, mas tudo vai depender da situação de cada um. A gente torce para que daqui dois meses as coisas comecem a voltar à normalidade, mas não temos certeza de nada. E mesmo quando voltar, a recuperação não vai ser imediata. Por isso, é necessário tentar se programar”, afirma o especialista.

Por parte do Governo Federal, a proposta aprovada pela Câmara dos Deputados estipulou um auxílio de R$ 600,00, podendo chegar a R$ 1.200 no caso de mulheres que são mães e chefes de família. O benefício será pago para pessoas que sejam maiores de 18 anos, não tenham registro em carteira e nem tenham sido obrigadas a declarar Imposto de Renda em 2018.


Deixe seu comentário