PRISCILA YAMAGAMI KÄHLER

Ela ensina a empreender e inovar

Priscila Yamagami Kähler tem experiência como coordenadora de diferentes cursos universitários, leciona empreendedorismo, ministra palestra sobre inovação, é escritora e tem projetos relacionados a startups. (Foto: Eisner Soares)
Priscila Yamagami Kähler tem experiência como coordenadora de diferentes cursos universitários, leciona empreendedorismo, ministra palestra sobre inovação, é escritora e tem projetos relacionados a startups. (Foto: Eisner Soares)

Comunicativa desde criança, Priscila Yamagami Kähler começou a trabalhar cedo, aos 15 anos. Do primeiro emprego, como bancária, emendou a graduação em Propaganda em Marketing, dando início à carreira de vendedora. Anos mais tarde foi convidada a lecionar, atividade pela qual se apaixonou. E agora, depois de passar a última década coordenando os cursos de Comunicação e Recursos Humanos na Universidade Braz Cubas (UBC) e na Faculdade de Tecnologia de Mogi das Cruzes (Fatec), ela se prepara para novos projetos, relacionados a empreendedorismo e inovação.

Toda a infância de Priscila foi em Suzano, cidade em que teve a primeira experiência profissional, como escriturária em uma agência bancária. Depois de concluir o Ensino Médio, que fez junto a um curso técnico em contabilidade, ela prestou vestibular para a área de comunicação, a fim de confirmar a vocação.

Priscila escolheu a Universidade Paulista (Unip), na Capital, e em 1991 tornou-se integrante da primeira turma de Propaganda e Marketing da instituição. Morando em São Paulo, tão logo começou a estudar a então jovem de 17 anos foi procurar emprego – e encontrou uma vaga no extinto banco Sudameris.

Foi fazendo networking com os clientes do banco que ela ingressou na área que estudava. Como atendia contas de agências de publicidade, foi vendendo seu próprio peixe, o que deu certo: estagiou em várias empresas do ramo, inclusive cuidando de eventos para grandes marcas, como a Chevrolet.

Até que, depois de formada, em 1995, surgiu uma oportunidade para ingressar no departamento de vendas de um laboratório farmacêutico. Nos sete anos seguintes, acumulou experiência em atendimento e relacionamento e fez pós-graduação em Gerenciamento Estratégico de Marketing, pela UBC, o que a levou a outro ramo de negócios, o departamento comercial de um hotel em São Paulo.

Na sequência, Priscila emendou outra pós-graduação, dessa vez no Senac, em Marketing Turístico. Ao concluir, foi convidada para dar aulas de Administração para o curso de Análise Empresarial na Uninove. Ela amou ensinar, mas como não estava na área em que se formou, pediu transferência para a disciplina de Administração Mercadológica, no curso de Marketing. Empolgada, decidiu fazer mestrado em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo.

Antes de concluir o mestrado, porém, em 2002 Priscila casou-se com Reinaldo Kähler, que conheceu enquanto trabalhava na indústria farmacêutica. E como ele é de Mogi das Cruzes, ela se mudou para cá, e passou a lecionar Merchandising para o curso de Marketing na UBC.

A professora conciliou as atividades por aqui e na Capital até 2008, quando deixou a Uninove para assumir a coordenação dos oito cursos da área de Comunicação da UBC. Ela esteve no cargo até 2016, quando o campi passou por uma remodelação e não mais foram abertas turmas dos cursos de Jornalismo, Publicidade, Rádio e TV e outros relacionados.

Há ainda mais um capítulo na formação profissional de Priscila: em 2013 ela prestou um concurso e passou a ensinar Empreendedorismo e Endomarketing na Fatec da Cidade, e em 2015 assumiu a coordenação do curso de Recursos Humanos da faculdade pública.

Em todos esses anos como professora, Priscila percebeu inúmeras mudanças dentro da sala de aula, principalmente em relação à tecnologia. Mas ela conta que não foi difícil se adaptar às novidades. Aliás, a capacidade de acompanhar inovações de Priscila é tanta, que ela dá palestras sobre inovação e é engajada no fomento de startups.

Aos 46 anos, ela quer dar um tempo na carreira de coordenadora, mas continuará com as aulas, que ministra duas vezes por semana na Fatec. No tempo que sobrar, além de curtir a família, ela pretende se dedicar a projetos novos, ligados às disciplinas que ministra, como um grupo de empreendedorismo feito pelos alunos, mas aberto ao público, e também a promoção de políticas públicas que estimulem o pensamento empreendedor. Aliás, ela é coautora de um livro sobre este tema, lançado em agosto último, na Bienal do Livro.

Curto-Circuito
Viver em Mogi é… estar pertinho de São Paulo, porém viver num ritmo menos acelerado e ainda estar perto da praia e do campo

O melhor da Cidade é… conhecer muita gente bacana e ver a Cidade evoluir

E o pior? É a insegurança que às vezes sinto. E o frio!

Sinto saudade… dos meus amigos de infância e de meus familiares que já se foram

Encontro paz de espírito… na minha casa

Pra ver e ser visto… na Nova Acrópole, uma organização internacional de caráter filosófico, cultural e social

Meu prato preferido é… vegetariano

Livro de cabeceira… Atualmente, ‘Propósito’, de Sri Prem Baba e o ‘Livro Da Filosofia’

Peça campeã de uso do meu guarda-roupa? Vestido

O que não tem preço? Ficar com a minha família

Uma boa pedida é… conversar com os amigos/família e rir muito

É proibido… desanimar

A melhor festa é… pra dançar

Convite irrecusável… do maridão

O que tem 1001 utilidades? Meu celular

Meu sonho de consumo é… a criação de uma escola de habilidades comportamentais disruptiva

Qual foi o melhor espetáculo da minha vida? O nascimento da minha filha

Cartão-postal da Cidade… a Serra Do Itapety à noite

O que falta na Cidade? Um parque tecnológico

Qual é a química da vida? O amor

Deus me livre de… ser normal