Eles somos nós

Há duas semanas o Brasil parou para acompanhar a votação do pedido de impeachment presidencial pela Câmara dos Deputados. Posições políticas à parte, em uma coisa ambos os lados dessa polarização concordaram: o péssimo nível da grande maioria dos deputados, manifestado através do teor de seus discursos, da sua forma de apresentação histriônica, do mal gosto e da irrelevância, além de outras manifestações pontuais fora dos microfones, porém sob os holofotes, tais como ofensas e cusparadas. Enfim, todos aqueles que não fazem parte da equipe ou da família dos nossos deputados, sem dúvida alguma, horrorizaram-se com eles.Mas, vem cá… posso lhe contar um segredo? ‘Eles’ somos nós.
E a mudança, que todo mundo deseja, não acontece em um evento. Eventos são insights. Mudanças são processos, que precisam iniciar por algum lugar, normalmente um insight. Agora, o compromisso que estabelecemos com a continuidade da mudança é que define se a merecemos verdadeiramente. E ele acontece no dia a dia, o que inclui aí, no panorama político, o ‘saber votar’.
Quando digo ‘saber votar’, sei que a tentação de muitos é perguntar, com todo o ranço, se ‘saber votar significa votar no meu candidato’. Não. Saber votar significa, acima de tudo, acompanhar cada passo de quem é eleito, pré e pós-eleição, inclusive daqueles a quem não elegestes.
Do contrário, seguiremos sendo apenas uma nação de insights, estimuladas por eventos recheados de marketing a cada dois anos.
E o inferno da história tem um caldeirão dedicado só a eles: os insights, que não se transformaram efetivamente em atitudes que, por sua vez, não transformaram a realidade.
Sou otimista e acredito que temos tudo para um despertar de consciência, que há de sepultar todos os modelos ultrapassados e de atraso que hoje conduzem os destinos da nação, em todas as esferas do poder.
Porém, não perca de vista que o máximo que se realizou, por hora, foi olhar no espelho coletivo e se horrorizar com o que vimos lá refletido: nosso próprio reflexo, na sua pior distorção, piorado ainda mais pelo sistema político, que precisa urgente de uma reforma.

Eduardo Zugaib é escritor e palestrante – www.eduardozugaib.com.brwww.