PRESIDÊNCIA

Em sessão rápida, Câmara de Mogi debate futura eleição da presidência; Mauro Araújo era nome mais cotado

Câmara quer reforço na fiscalização dos locais. (Foto: Divulgação/CMMC)
Nos bastidores da Câmara começam especulações sobre acordo para sucessão da presidência da casa. (Foto: arquivo)

As denúncias envolvendo o vereador Mauro Araújo podem resvalar na candidatura do parlamentar à presidência da Câmara para 2020. O caso gerou muitos comentários nos bastidores e alguns dos vereadores admitem a possibilidade da indicação de um outro nome para disputar a eleição no lugar dele no próximo dia 11 de dezembro. A sessão foi rápida e aprovou uma alteração no Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas.

Araújo não compareceu à sessão de ontem e nem respondeu aos contatos por celular, que ficou desligado. O gabinete permaneceu com as portas fechadas durante todo o dia. Ele promete convocar uma coletiva nas próximas horas para falar sobre o assunto e encaminhou uma nota oficial à imprensa (veja matéria aqui)

As lideranças dos partidos preferiram não se manifestar sobre o epísódio antes de ouvir a versão do vereador. A maioria disse o momento é de cautela.

Alguns vereadores já falam sobre a possibilidade de indicar os nomes de José Antônio Cuco Pereira (PSDB) e Antônio Lino (PSD) para a futura presidência da Casa, que deveria ficar com Araújo, como noticiou ontem este jornal. Cuco é o mais cotado porque já disse que não quer disputar as próximas eleições. Os dois descartaram a intenção de entrar nessa disputa. Existe um acordo entre os partidos que garante a presidência da Casa para o MDB no último ano deste mandato. Nesse caso, se Mauro desistisse o candidato natural do seu partido, Taubaté Guimarães, que não demonstrou interesse.

Outros assuntos foram tratados na sessão. Antes de iniciar os trabalhos, durante o pequeno expediente, o vereador Emerson Rong (PL) apresentou um vídeo para denunciar problemas com o atendimento no pátio onde são recolhidos os carros em César de Souza. Há reclamações obre a falta de estrutura para receber as pessoas que precisam ficar horas ao relento até serem atendidas. A sessão foi muito rápida: durou pouco mais de meia hora. Foi aprovado o projeto de lei do prefeito Marcus Melo (PSDB), que promove alterações no Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas, aumentando de 16 para 18 o número de integrantes, com a inclusão de membros da Polícia Civil.

Também foi aprovado o projeto que autoriza a Prefeitura a firmar convênio com a EDP São Paulo e com a Eco Power Soluções tecnológicas para a execução do projeto de Gestão Energética Municipal (GEM) a fim de promover a racionalização do consumo e a eliminação dos desperdícios de energia elétrica nos setores da administração municipal.


Deixe seu comentário