TRANSPORTE

Equipamentos de terminais de ônibus em Mogi aguardam manutenção

No Terminal Estudantes, assim como no Central, os passageiros também encontram os monitores desligados. (Foto: Edson Martins)
No Terminal Estudantes, assim como no Central, os passageiros também encontram os monitores desligados. (Foto: Edson Martins)

Os usuários do transporte coletivo municipal ainda enfrentam problemas nos terminais Central e Estudantes. Os monitores instalados por todo o prédio não funcionam, assim como as catracas que servem apenas como enfeites. Há cinco meses, a reportagem de O Diário visitou os dois prédios e o cenário foi o seguinte: painéis desligados, banheiros sem a estrutura básica, wi-fi que não conecta, cheiro muito forte e espelho corroído nos sanitários. Com exceção dos banheiros, que ontem estavam limpos, a situação permanece a mesma.

Dalva Lins de Andrade utiliza o Terminal Central com bastante frequência. Ela conta que, em decorrência disso, já sabe o horário dos veículos, mas que falta informação para quem utiliza esporadicamente o local. “Eu lembro que há muito tempo eles chegaram a funcionar, mas foi por poucos dias e logo pararam”, pontua Dalva.

Além disso, quem quer informação não sabe ao certo onde ir, porque não há placas indicando o local onde os funcionários prestam este tipo de orientação.

A aposentada Marli Mendes avalia que falta coordenação nos terminais. Ela diz que, sobretudo próximo ao horário de almoço, os motoristas param os ônibus em locais que atrapalham o trânsito dos outros. “Várias vezes o motorista não consegue vir até aqui no nosso ponto, então para no meio da rua e fica gritando para irmos até ele. Chega a ser perigoso”, diz Marli.

Apesar de limpos, os banheiros carecem de manutenção. No sanitário masculino do Terminal Central, apenas três das oito torneiras estavam funcionando e dois banheiros não tinham portas. Já no Estudantes, em dois boxes não havia portas, um mictório estava isolado e apenas duas das cinco torneiras funcionavam.

O espelho dos banheiros, talvez pelo uso de produtos de limpeza indevidos, estão totalmente corroídos, e não permitem ao usuário enxergar qualquer coisa em toda a sua extensão.

Por fim, se não há painéis para informar e nem direcionamentos de funcionários para prestar tal serviço, uma das opções é utilizar o aplicativo do transporte municipal de Mogi, mas só se o passageiro contar com plano individual de internet, porque o wi-fi oferecido nos terminais não carrega nem mesmo os aplicativos com menor necessidade de sinal.

Procurada, a Secretaria Municipal de Transportes informou que os terminais Central e Estudantes contam com equipes de manutenção específicas que realizam serviços para melhoria da utilização dos espaços, sendo os banheiros um dos locais prioritários deste serviço, mas infelizmente, ainda sofrem com problemas de vandalismo, o que prejudica a utilização pelos passageiros. “Para combater este problema e melhorar a segurança dos locais, a Prefeitura reforçou a presença da Guarda Municipal nos terminais, inclusive com implantação de uma base da corporação no Terminal Central, no ano passado”, trouxe nota enviada ao jornal.

Já as catracas, segundo a Pasta, não estão em funcionamento porque inviabilizariam a utilização pela população de serviços públicos existentes nos terminais, como o Emprega Mogi, Cras, entre outros.

“Por fim, a Secretaria informa que planeja a execução de melhorias nas estruturas dos terminais Central e Estudantes. Dentro deste trabalho, estão previstas intervenções no sistema elétrico, o que resolveria o problema com os monitores e também uma nova sinalização para facilitar a utilização dos espaços pelos passageiros”, concluiu a nota.