DE VOLTA!

Escada magirus retorna ao Corpo de Bombeiros de Mogi

Vereador questiona o paradeiro do equipamento do Corpo de Bombeiros para atender ocorrências em prédios altos. (Foto: Arquivo)
Vereador questiona o paradeiro do equipamento do Corpo de Bombeiros para atender ocorrências em prédios altos. (Foto: Arquivo)

Durante a tarde desta quarta-feira, o caminhão equipado com a escada Magirus voltou a figurar no pátio do 17º Grupamento do Corpo de Bombeiros de Mogi das Cruzes, que afirma que o dispositivo nunca deixou de prestar serviços ao Alto Tietê. Na sessão da Câmara da última terça-feira, o vereador Caio Cunha (PV) questionou sobre o paradeiro do equipamento que, segundo ele, não se encontrava até ontem na unidade do Shangai. O veículo chegou à Cidade em 2001, após campanha feita por O Diário, que publicou inúmeras matérias referentes ao assunto.

O deputado estadual Luiz Carlos Gondim (PTB) disse que chegou a entrar em contato com um membro do batalhão para perguntar sobre a Magirus. Ele teria sido informado, então, que o pistão necessário para levantar a escada estaria quebrado. Para que ele fosse consertado, uma licitação teria de ser aberta, devido ao alto valor do equipamento.

Paulo Roberto Madureira Sales, secretário municipal de Segurança, explicou que o veículo é de 1992, o que dificulta que sejam encontradas as peças necessárias para a substituição, já que elas vêm da Alemanha. Ele ressaltou que a Cidade nunca esteve desprotegida, porque enquanto o caminhão estava em manutenção, outros grupamentos do Corpo de Bombeiros ficavam responsáveis por Mogi, caso a Magirus fosse requisitada.

Em agosto de 2001, quando a luta pela vinda do caminhão teve início, Gondim – que já era deputado estadual – levou o assunto à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). No dia 3 de outubro daquele mesmo ano, o veículo chegou à Cidade. Cedida pelo Estado, a Magirus precisava de manutenção e de um computador de bordo, que custava US$ 20 mil, o equivalente a cerca de R$ 54 mil. No total, eram precisos quase R$ 70 mil. “Fizemos um trabalho para a população e até mesmo para os bombeiros”, lembrou Gondim.

Para arrecadar a quantia necessária foi lançada uma campanha a fim de que empresários pudessem ajudar a conseguir o valor. O próprio Gondim chegou a doar R$ 1 mil. Atualmente ocupando um cargo na Câmara Federal, Junji Abe (MDB) era prefeito de Mogi em 2001. Durante a gestão foram concedidos outros R$ 2 mil.

“Naquele momento, a Cidade intensificava o processo de verticalização, com prédios cada vez mais altos em pontos diversificados da área urbana. Eu, como prefeito, e os vereadores trabalhamos numa grande parceria com o jornal O Diário para dotar o Corpo de Bombeiros de uma escada Magirus. Com uma série de gestões junto ao Governo do Estado, sensibilizamos o comando da Polícia Militar e o próprio governador sobre a necessidade do equipamento”, comentou Abe.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Segurança Pública enviou o seguinte e-mail sobre o assunto: “O Corpo de Bombeiros informou que a viatura Auto Escada, popularmente conhecida como Magirus estava em manutenção no Centro de Manutenção em São Paulo para reparo mecânico e, nesta quarta-feira, retornou ao Posto de Bombeiros Shangai em Mogi das Cruzes”.

Após chegada da escada, vereador retira moção na Câmara

Silvia Chimello
Depois de ter se certificado de que a Magirus tinha retornado a Mogi das Cruzes, o vereador Caio Cunha (PV) decidiu retirar a moção que já estava pronta para ser votada ontem, na sessão da Câmara Municipal. O documento que cobrava explicações sobre o paradeiro da escada foi assinado pela maioria dos parlamentares que também queria saber o motivo do sumiço do equipamento.

O vereador disse em plenário que ficou sabendo que o deputado estadual Luiz Carlos Gondim Teixeira (PTB) cruzou com o veículo na Rodovia Mogi-Dutra, descendo sentido Mogi das Cruzes, ontem, logo depois das 12 horas. Ele contou também que recebeu um telefonema do comando do Corpo de Bombeiros, informando que o equipamento já estava na Cidade. Para se certificar de que ela havia sido transportada para a base do Corpo de Bombeiros do Shangai, passou por lá e pode conferir pessoalmente a informação.

“Que bom que a Magirus foi localizada e voltou bem rápido para Mogi. Mas, de qualquer forma, ela realmente não estava na Cidade. Estou dizendo isso porque senão parece que o idiota sou eu. Hoje (ontem) iria apresentar requerimento com esse questionamento, mas agora acho que não tem sentido algum”, comentou Cunha.

O telefonema que ele recebeu foi do coronel Oliveira Neto, que responde pela Região. “O comandante disse que realmente a Magirus estava em manutenção em São Paulo, mas garantiu que todos os reparos foram feitos e que agora não tem mais nenhum problema”, relatou.

O comandante também explicou ao parlamentar que no período em que esteve em manutenção, a Cidade não ficou desguarnecida. Oliveira Neto disse a Caio que a corporação de Mogi conta com outra escada que, apesar de ser menor, tem tecnologia avançada e a mesma funcionalidade da Magirus.

Sobre o episódio, o vereador do PV fez questão de frisar que nada foi feito para “desmerecer” a Corporação, pela qual disse ter “muita admiração e respeito pela atuação de excelentes profissionais”.

O assunto foi levado ao plenário por Cunha na sessão de anteontem. Ele contou que foi abordado sobre a questão por um morador da Cidade, que visitou o Corpo de Bombeiros, no Shangai. A pessoa queria ver a escada, mas ela não estava no local. Ao tomar conhecimento do acontecido, o vereador foi atrás da informação. Ficou sabendo que a Magirus estaria no posto dos Bombeiros instalado em Braz Cubas. Porém, quando foi conferir, ela também não se encontrava no local.