CULTURA

Escola de Arte Ousadia estreia uma semana gratuita de oficinas de teatro e circo, entre os dias 20 e 26

PROPOSTA Erika Cassia Capella explica que espaço surgiu para dar oportunidade a adolescentes e jovens envolvidos com artes cênicas. (Foto: Eisner Soares)

Mogi das Cruzes tem um novo reduto cultural, com cursos profissionalizantes e livres de teatro. É a Escola de Arte Ousadia, na área central, que também funciona como sede para o Núcleo de Cultura Ousadia, na estrada há 15 anos, e que oferece, entre os próximos dias 20 e 26, uma semana de oficinas e encenações gratuitas.

A motivação para fundar a casa surgiu a partir da necessidade dos alunos do grupo, muitos dos quais são adolescentes. “Percebemos que muitos deles tinham interesse em estudar efetivamente, mas não tínhamos estrutura para isso”, conta a fundadora da trupe, Erika Cassia Capella.

A ideia é oferecer “cursos profissionalizantes com carga horária específica”, para que depois os instrutores possam acompanhar o processo de emissão do DRT (registro profissional utilizado por atores, dubladores e artistas).

Outra prática consiste em experiências “livres”, nas quais os interessados podem “entrar e sair no momento que quiserem”. Quando explica as ações, Erika fala com carinho especial das atividades circenses, modalidade até então realizada na cidade somente pelo hoje fechado Galpão Arthur Netto.

Não que a iniciativa do Ousadia vá substituir o Galpão ou o Casarão da Mariquinha, que também encerrou as atividades em 2019, mas ela comemora o fato de ter inaugurado um novo espaço de cultura em Mogi num momento difícil como esse. E diz que, de certo modo, o “espírito do Galpão” permanece vivo no novo endereço.

“Quando pegamos a chave do imóvel, conversei com um dos gestores de lá, Manoel Mesquita Junior, e perguntei se havia itens que eles venderiam. E ele foi um cavalheiro, um padrinho maravilhoso, e doou muito para nós, como móveis, roupas para vender em brechó, livros e muitas outras coisas”.

Reflexo disso, há no local um pequeno “galpãozinho” para apresentar as montagens da companhia, como ‘19.68’, que continua circulando neste ano, e também “novas produções”, como conta a gestora, que adianta um texto inspirada em obras de autores como Nelson Rodrigues, Plinio Marcos ou Augusto Boal.

Oficinas

Inaugurada no meio do mês passado, entre os dias 20 a 26 a Escola de Arte Ousadia abre as portas para que o público possa conhecer os serviços oferecidos. Neste período, além de encenar ‘19.68’, a sede receberá pessoas de todas as idades para “vivências de circo, teatro e dança, com entrada gratuita”.

Quem for ao local poderá também se inscrever para as atividades profissionalizantes e livres, do calendário oficial, que terão início em fevereiro, com “valores pequenos em relação ao mercado”. Isso porque, segundo Erika, a intenção não é o lucro. “Somos um grupo de teatro, mas antes somos uma associação sem fins lucrativos. Então basicamente a verba será utilizada para pagar professores e o aluguel da casa”.

Aliás, é importante destacar que a tal casa, localizada ao número 79 da Rua Nossa Senhora do Carmo, no Centro, passou por dois meses de manutenção antes de ser inaugurada. Foi “uma reforma quase estrutural, feita pelos próprios alunos e também pessoas da comunidade, que botaram a mão na massa, num processo extremamente gratificante”.

Outras informações sobre os projetos estão disponíveis nas redes sociais do grupo Ousadia ou pelo telefone (11) 98162-9210.


Deixe seu comentário