SEGURANÇA

Escolas públicas municipais de Mogi poderão ter câmeras e alarmes

Ideb avalia o fluxo escolar e média das avaliações. (foto: Arquivo)

Para tentar reforçar a seguranças nas escolas e creches públicas e privadas do Município, a Câmara aprovou ontem o projeto de lei que determina a instalação de câmeras de segurança e alarmes nos estabelecimentos. O objetivo dos autores da proposta dos vereadores do PL, Péricles Baub e Francimário Viera Farofa, é garantir a integridade de alunos, professores e funcionários, além de atuar na prevenção do uso ou envolvimento com drogas.

Segundo Baub, o monitoramento é um instrumento eficaz para inibir e combater a violência, o vandalismo e criminalidade nas escolas. Esses recursos de segurança que devem ser instalados na entrada, pátio e salas de aula deverão permitir uma comunicação direta com a Central Integrada de Emergências Públicas (Ciep).

“Os atuais índices de criminalidade amedrontam cada vez mais a população. Muitas escolas são invadidas por pessoas que levam os equipamentos, destroem e depredam os prédios. Se tiver câmeras, vai ser mais fácil identificar os responsáveis e até impedir que isso ocorra”, reforça Farofa

Na proposta, que ainda depende da sanção do prefeito para ser transformado em lei, os autores citam o episódio ocorrido em março deste ano, na Escola Raul Brasil, em Suzano. Eles alegam que há informações de que os responsáveis pelo ataque – que vitimou de provocou a morte de sete pessoas, sendo 3 funcionários e 5 alunos, além de 11 adolescentes feridos – sabiam da inexistência de dispositivos de segurança que poderia impedir ou dificultar a execução do plano.

Dia de Doar

Antes da sessão, no período da manhã, representantes de 35 de entidades sociais de Mogi estiveram na Câmara, a convite do vereador Edson Santos (PSD) para apresentação da campanha 2019 do Dia de Doar, que será comemorado no dia 3 de dezembro. A campanha fomenta a doação de recursos materiais e incentiva as ações voluntárias no município.

A organização disponibilizará no site https://doamogi.org.br/ um espaço com informações sobre as instituições e principais necessidades de cada uma.

Vereadores vão cobrar a posição de deputados

A Câmara de Mogi decidiu realizar uma nova audiência pública no próximo dia 25, a partir das 16 horas, no plenário da Casa. A intenção é ampliar o debate sobre o novo Plano Diretor do município para que a população tenha mais tempo para analisar o projeto de lei que estabelece os vetores de desenvolvimento e ordena o crescimento do município para o futuro.

O anúncio foi feito pelo presidente da Casa, vereador Sadao Sakai (PL), que atendeu ao pedido dos vereadores do PT e representantes da Associação de Moradores Bairros da Vila Oliveira, integrantes da Rede Nossa Mogi, entre outras lideranças. Esse será o segundo encontro promovido pela Câmara, que fez a primeira reunião pública ontem à noite.

Alguns vereadores sugeriram que a Câmara contrate profissionais especializados nessa área para ouvir o parecer de outros técnicos que possam ajudar os parlamentares a entender melhor as propostas, em vez de se restringir apenas aos argumentos apresentados pela Prefeitura, que foi quem elaborou o novo plano.

O vereador José Antônio Cuco Pereira (PSDB) é um dos que acha necessário entender melhor todas as questões antes de votar a matéria, considerada “muito complexa” até pelas especificações do projeto que aponta a tendência de crescimento da cidade na região de César de Souza e Rodeio, cria novos núcleos urbanos, amplia do número de distritos e bairros, prevê a instalação de corredores ecológicos, mais parques, destinação de áreas para indústria, comércio, turismo, agricultura, etc.

Deixe seu comentário