Plugado

Esperança: conheça a história da mogiana Daiany

SUPERAÇÃO   A mogiana Daiany Aguiar, de 37 anos, tem lutado contra uma doença hereditária, degenerativa e sem cura, a Machado-Joseph (MJ), que tem como principais sintomas a perda dos movimentos, falta de equilíbrio e coordenação motora. A confeiteira, casada, mãe de dois filhos, avó de uma menina de dois anos e moradora do Conjunto Santo Ângelo, tem falado sobre a doença nas suas redes sociais compartilhando o seu dia-a-dia, além de divulgar uma vaquinha com o objetivo de fazer um tratamento na Flórida, nos Estados Unidos. “Se eu conseguir fazer esse tratamento, a doença pode estacionar e não regredir mais, ou ainda, na melhor das hipóteses, retardar os sintomas que eu tenho hoje em dia”, desabafou Daiany. A rotina da autônoma não tem sido fácil. Ela perdeu parte da coordenação motora fina, impossibilitando-a de escrever,  por exemplo. A falta de equilíbrio, também comum no seu cotidiano, é próxima com a sensação de embriaguez.  Daiany perdeu o pai, tios e primos, vítimas de doença, e está lutando para não ter o mesmo destino que os familiares

PESCA   O Centro Educacional Educati promoveu uma festa julina no sistema drive-thru, bem em frente ao colégio, no bairro Alto do Ipiranga em Mogi. As professoras Tábata Santos e Nádia Pereira se divertiram na pescaria

 DRIVE   Ainda no drive-thru julino do Educati, o aluninho Adriano Moretti com o palhaço Tio Piruquinha. Foi diversão pura!

 

 SOLIDARIEDADE   Lucia Nomura, dona de um buffet de Mogi das Cruzes, usou toda a sua expertise no ramo de eventos e tomou a iniciativa de criar kits com delícias das festas juninas com o intuito de colaborar com a manutenção do Instituto Pró+Vida. Com a ajuda dos colaboradores e voluntários do lar de idosos, a ação ainda contou com a doação dos ingredientes para a preparação dos doces, salgados e bebidas. As vendas superaram as expectativas, e todo o lucro foi destinado para o instituto

 

 

 


Deixe seu comentário