NESTA SEXTA-FEIRA

Espetáculo encenado no Centro Cultural de Mogi propõe reflexão sobre fatos históricos recentes

VIOLÊNCIA A peça conta a história de Ermina, uma sobrevivente da Guerra da Bósnia, conflito armado que durou de 1992 à 1995. (Foto: divulgação)
VIOLÊNCIA A peça conta a história de Ermina, uma sobrevivente da Guerra da Bósnia, conflito armado que durou de 1992 à 1995. (Foto: divulgação)

Um espetáculo sobre guerra, mas não só isso. Um espetáculo que fala de sobrevivência. Um relato histórico, mas com liberdade poética para mostrar “o olhar cíclico da guerra e o que pode ser nomeado como paz artificial”. Assim é ‘Da Incoerência de Viver Pacificamente’, do coletivo ‘L’istesso Tempo’, que será encenado às 20 horas desta sexta-feira, dia 6, e também dia 13, no Centro Cultural de Mogi das Cruzes.

O enredo de estreia da companhia mogiana recria fatos da Guerra da Bósnia, conflito armado que durou de 1992 à 1995 na região da Bósnia e Herzegovina. Em 50 minutos, o público acompanha a história de Ermina, uma sobrevivente não só da guerra mas, sobretudo, sobrevivente de si mesma.

A protagonista expõe fatos e histórias sobre o pior período de sua vida ao conjecturar sobre memórias que a atormentam. Ermina divide, de modo muito peculiar, fatos sobre o conflito e o que ela mesma é capaz de deixar marcado nos corpos comuns.

Segundo sua intérprete, Cris Morais, a personagem funciona como um convite para analisar “a estranheza de como as dores presentes no mundo passam, são esquecidas e acontecem novamente, e quase não estamos atentos ao peso que as palavras carregam”.

O dramaturgo e diretor da montagem, Jhonathan Faria, completa o pensamento ao dizer que “o processo criativo do espetáculo partiu da vontade de introduzir o tema da Guerra Da Bósnia, suas peculiaridades e aspectos contemporâneos, mas sobretudo, como as guerras se tornam um processo interminável”.

Para ele, “a situação econômica da Bósnia está mais do que deprimida até hoje”, o que evidencia o olhar cíclico da guerra e a chamada “paz artificial”, conceito que é retratado, no palco, por meio de “pílulas” da cultura do país retratado.

A concepção musical do espetáculo é de Thaís Naomi, que mergulhou na música folk de lá e também nos costumes e experiências do povo local. “É importante levar em conta vestimentas, comida, clima e arquitetura para conseguir essa imersão no entendimento cultural”, diz ela.

Outro fator que influencia o drama e a interpretação do público é a iluminação, responsabilidade de Tobias Siqueira, que diz que luzes e sombra foram “pensadas para causar efeito narrativo, sempre focando nas memórias da personagem e, quando conveniente, no espaço e elementos cênicos”.

Os ingressos para ‘Da Incoerência De Viver Pacificamente’ podem ser adquiridos por R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia) com uma hora de antecedência da encenação. O Centro Cultural está localizado ao número 360 da Praça Monsenhor Roque Pinto de Barros, na área central da cidade. Outras informações estão disponíveis pleo telefone 4798-6988.


Deixe seu comentário