ESTIAGEM

Estiagem eleva ocorrência de queimadas em Mogi das Cruzes; veja fotos

COMPLICADO Área localizada no distrito de César de Souza foi danificada por queimadas na tarde desta segunda-feira. (Fotos: Eisner Soares)

A previsão do tempo para os próximos dias mostra possibilidade de garoa hoje e prováveis pancadas de chuva sábado e domingo. Este período de estiagem e as altas temperaturas têm deixado o ar seco, o que aumenta a possibilidade de queimadas. Somente no final de semana, o 17º Batalhão do Corpo de Bombeiros, que fica no Shangai, atendeu 25 chamados de incêndio em vegetação natural no Alto Tietê, sendo a maioria em Mogi das Cruzes e Suzano.

Na cidade, houve queimadas próximo ao Conjunto Habitacional Jeferson da Silva, do Centro de Controle de Zoonoses e no Brejinho de César de Souza, na avenida Castelo Branco. Nesta última, a área foi atingida por completo. O veterinário Jefferson Leite atua no Zoonoses e acompanha de perto os acontecimentos no Brejinho, que recebe visitantes até mesmo de outros países para observar aves raras que passam por ali. Ele diz que nesta última queimada, a área completa, de 270 mil metros quadrados, foi destruída.

(Clique na imagem para expandir)

“As aves adultas até conseguem fugir, mas os filhotes acabam ficando para trás e nós estamos em uma época em que algumas estão se reproduzindo. Já os pequenos mamíferos e répteis que moram por lá, em sua grande maioria não conseguem sair a tempo e também acabam morrendo. Ainda existe o risco dos animais que fogem invadirem a área urbana e podem levar doenças ou até mesmo sofrer maus tratos”, frisa o veterinário.

Mesmo para os que conseguem deixar o espaço a tempo, o Brejinho já não poderá servir de moradia por um tempo, já que as fontes de alimento, como plantas, frutos e pequenos insetos, também foram destruídas. O espaço é utilizado por moradores da cidade como depósito de lixo, o que ajuda a fazer com que o fogo se espalhe.

Outro perigo é tentar limpar terrenos colocando fogo, já que nem sempre é possível fazer esse controle. A moradora de César de Souza, Dinalva Rodrigues de Azevedo, acredita que foi um exemplo disso que pôde presenciar de sua casa. Ela conta que, apesar de distante, a sujeira e o cheiro da fumaça invadiram sua residência no último final de semana.

“Eu moro no mesmo lugar há quase 5 anos e, claro, já vi outras queimas. Mas desse jeito, nunca tinha visto. Moro na parte de cima, então consigo ver bairros como o Bela Vista e a Vila Aparecida. Olhava para lá e estava tudo embaçado. E o que achei estranho foi que em um terreno vi uma labareda como se estivesse cercada e como se alguém já estivesse apagando o fogo, parecia mesmo que era para limpar o lugar”, conta.

O Corpo de Bombeiros lembra que causar incêndios em florestas é crime ambiental que pode levar à multa e prisão. Além disso, frisa a importância de não jogar cigarros ou fósforos acessos em locais inapropriados, principalmente às margens das rodovias próximas a vegetações. Ressalta ainda que soltar balões provocar acidentes aeronáuticos e incêndios florestais são um perigo para refinarias e indústrias químicas, além de crime. Orienta também a nunca fazer queimadas em dias quentes, secos ou com ventos fortes e informar, pelo 193, onde houver fumaça, para o fogo ser combatido.


Deixe seu comentário