ARTIGO

Estou ficando barrigudo

Quem circula pelas sendas da venda de brindes, brinda. E brindar é dar o melhor de si em todas as tonalidades da escala de sete tons: Dó de dose de doçura; Réde réplica suave;Mi de Midas, o toque de ouro; Fá de fácil relacionamento; Sol de soldo de quem milita na lide de alargar os espaços de quem é amigo do bem; Lá de lábios honestos e Si de simpatia e simetria entre as duas partes.

Pelo sax do Barbosa! Você executou direitinho todas as notas do pentagrama, também chamado de pauta. E como jogo no time de quem vende, vou me pautar pelo roteiro traçado, quem sabe consigo me safar desse marasmo que me impede de atingir a mosca do alvo, visto que, sempre que estou prestes a atingi-la, eis que ela faz o que fez o gato: pula de lado e me deixa no ora veja, o que me acarreta certo transtorno por não haver retorno e, não havendo resposta financeira positiva, não há quem dê conta de viver de acordo com o que deve ser.

– Pois, então, aí está a razão e o porquê da maioria do povo desta terra viver o tempo inteiro mergulhado em sobressalto: é a falta de dinheiro que supra as necessidades do povo brasileiro.

– Se me permite opinar, opino que o problema não é bem a escassez da grana. Ela existe, mas no estado de coisa que por aqui aflora, segundo o qual, quem mais pode menos chora, a parte mais polpuda do seu coeficiente está armazenada no silo de pouca gente.

– Pelo guarda-chuva do João, que bela colocação! O montante da moeda sonante que percorre os meandros ,atalhos e veredas desta mãe-pátria é o bastante para prover a precisão dos seus filhos. Mas o que salta à vista de todos é o despudor e a ganância sem limites de alguns maus brasileiros, como os mensaleiros e outros mutreteiros que praticam toda sorte de ilícitos e, quando se pensa que não, aparecem belos e faceiros na foto sem o menor castigo e nenhuma punição.

– Punição e castigo? Só se for pro meu umbigo, a cicatriz arredondada que me intriga bem no meio da barriga

– Mas que ideia mais genial lembrar-se da marca deixada pelo corte do cordão umbilical, mas em termos de umbigo, há dois que não merecem castigo. Quer saber quais são? O umbigo-branco, uma espécie de cogumelo comestível e o umbigo de freira, uma deliciosa espécie de biscoito doce que é degustado com chá. E antes que o chá esfrie, vou correndo tomar o meu com tudo que tiver direito, pois, ainda que digam que estou ficando barrigudo, não há como me livrar do estigma de ser um onívoro que se apraz em comer de tudo. Tudo bem? Até quinta que vem!

Ge Moraes é cronista

Deixe seu comentário