UMC

Estudantes comandam festival de talentos

Festival idealizado pelo professor Hércules Moreira, que também apresenta o evento, sempre traz novidades, como a apresentação de cães adestrados que auxiliam crianças autistas, feita na edição passada. (Foto: Divulgação)
Festival idealizado pelo professor Hércules Moreira, que também apresenta o evento, sempre traz novidades, como a apresentação de cães adestrados que auxiliam crianças autistas, feita na edição passada. (Foto: Divulgação)

A Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) recebe amanhã, a partir das 19 horas, a 8ª edição do Festival de Talentos (FDT), espetáculo que reúne performances de dança, música e humor. A organização é dos alunos dos cursos de comunicação da própria instituição, que também promovem uma campanha de arrecadação de alimentos para doar ao instituto Eliza Teixeira, que atende mulheres em reabilitação.

A produção tem o formato de um programa televisivo de auditório, com a apresentação de diferentes artistas do Alto Tietê. Trata-se também de uma oportunidade para a integração de estudantes de diferentes cursos, já que mais de 100 universitários estão diretamente envolvidos nos bastidores. A equipe informa que esta edição terá um número maior de atrações. De 11 subiu para 16. O público será apresentado a novos quadros, como uma entrevista com psicóloga sobre a depressão. Neste ano, o show contará até com o grupo de bailarinas, além outras novidades.

A produção e o trabalho de pesquisa, assessoria de imprensa, apresentação e cobertura televisiva e fotográfica do evento ficam a cargo das turmas de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, sob supervisão do professor Hércules Moreira, criador e idealizador do projeto. Ele vê essa experiência como um auxílio na formação acadêmica. “É uma grande aula, que oferece uma oportunidade para quem estuda comunicação colocar em prática o que aprende nas matérias”, explica.

A ideia para o espetáculo surgiu em 2011, quando Hércules ministrava a disciplina de recursos audiovisuais na UMC. “Senti falta de ter algum produto prático, sair um pouco da teoria. Sempre digo para os alunos que a teoria é importante, mas a prática é essencial”, recorda, ao contar que tanto alunos como o coordenador do curso aceitaram bem o conceito, que só saiu do papel no ano seguinte.

Com o tempo o FDT se tornou referência na universidade. Há oito anos se dedicando ao projeto, o criador lembra das dificuldades encontradas até aqui. “As reuniões eram realizadas fora dos horários de aula, então sempre foi difícil encontrar tempo. No entanto, já na primeira edição a expectativa foi superada, as equipes trabalharam bem na divulgação e conseguimos lotar o espaço de primeira”, diz.

Hoje, Hércules se emociona ao colocar em prática conceitos que ele próprio não teve contato quando aluno. “Muitos jovens compartilham sonhos que eu tive no passado, mas não pude realizar”. Quem concorda com essa afirmativa é a ex-aluna Paula Ferraz, que se formou em jornalismo no ano passado e faz parte do festival desde a sexta edição, atuando como assistente de palco e apresentadora. Para ela, participar representa “uma mistura de sensações, é como a poesia, no fim só queremos ver um público feliz com todo o trabalho desenvolvido com amor”.

Mesmo os estreantes na programação, como Luiz Rezende, atual diretor do diretório acadêmico Assis Chateaubriand, sentem-se à vontade em colaborar. “Os integrantes da ‘Chato” auxiliarão em diversas etapas do programa, todos estão bem animados e bem ansiosos, pois se trata de uma noite com um porte muito grande e muito gostosa de participar”, diz o líder do grupo, que é a ponte entre a coordenação e os graduandos.

Vale lembrar que o FDT não é a única atividade prática que auxilia na formação dos estudantes de comunicação da universidade. Há o UMC Repórter – também idealizado por Hércules -, um telejornal gravado inteiramente por graduandos e o Página Um, jornal laboratório impresso, editado pelo professor Elizeu Silva e escrito e diagramado por alunos.

A 8ª edição do Festival de Talentos (FDT) acontecerá no Teatro Manoel Bezerra de Melo, o “Bezerrão”, na Universidade de Mogi das Cruzes, que fica à Avenida Dr. Cândido Xavier de Almeida Souza, 200, no Centro Cívico. Os visitantes deverão entrar pela portaria A, apresentando documento de identidade com foto. A entrada é gratuita, mas o público pode colaborar doando alimentos não perecíveis. Outras informações estão disponíveis em facebook.com/FDTUMC/.