EDUCAÇÃO

Estudantes do 3° e 4° anos dividem sala

Pais temem problemas no espaço compartilhado por 30 crianças. (Foto: Eisner Soares)
Pais temem problemas no espaço compartilhado por 30 crianças. (Foto: Eisner Soares)

Estudantes das turmas de 3º e 4º anos do ensino fundamental da Escola Municipal Rodolpho Mehlmann, na Vila Natal, em Mogi das Cruzes, estão dividindo a mesma sala de aula. A situação tem preocupado os pais dos alunos, que temem pelo aprendizado no espaço compartilhado por 30 crianças. A Secretaria Municipal de Educação disse que existe legislação para sala multisseriada.

Os pais procuraram o vereador Diego de Amorim Martins (MDB), o Diegão, que visitou a unidade de ensino na tarde de anteontem. Na ocasião, o vereador conversou com a diretora Rosemeire Alvarenga Franco de Souza e a vice-diretora Márcia Regina Sala Amadeu e contatou, posteriormente, a secretária municipal de Educação, Juliana Guedes, para tentar encontrar uma solução para a questão.

Segundo o parlamentar, cerca de 320 alunos estudam na escola, e a diretoria disse que os pais foram comunicados quando matricularam os filhos sobre a sala multisseriada. “Fui até a escola devido à preocupação com a aprendizagem dos próprios estudantes e o bem-estar do professor que leciona para as duas séries”, afirmou o vereador.

Ainda de acordo com Diegão, a escola enfrenta problemas com alguns professores licenciados e falta de espaço físico para abrir mais uma sala, além do fato de que houve grande demanda de alunos que vieram de outras escolas, o que fez com que fosse criada a sala multisseriada.

“Segundo a diretoria, está dentro da legalidade a criação dessa sala, mas caso haja professor, lista de espera para formar outra classe e a chegada de chrome books da Prefeitura, eles podem transformar a sala de informática em outra classe. Por isso vou cobrar da Prefeitura esses equipamentos e quero participar de uma reunião com a diretoria e os pais para discutirmos a questão”, destacou o vereador.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação ressaltou que existe previsão legal para a existência de salas multisseriadas sempre que o número de alunos matriculados para determinada série é baixo e não justifica a formação de uma turma à parte.

“Quando uma turma com essas características é composta, é feito um trabalho com o professor, no sentido de prepará-lo para o atendimento de mais de uma série de forma simultânea e também é feito acompanhamento por toda a equipe técnica da unidade de ensino e por parte da própria Secretaria de Educação, que monitora e averigua esse tipo de situação ao longo de todo o ano letivo”, trouxe a nota enviada a O Diário.

Especificamente sobre o caso, a pasta destacou ainda que o número atual de alunos é 31, sendo que a capacidade máxima para turmas de 3ª e 4ª série do Ensino Fundamental é de 35 alunos. Além disso, a pasta informou que não recebeu nenhuma solicitação, no sentido de fazer o desmembramento, razões pelas quais não há motivo para crer que os alunos estejam sofrendo qualquer tipo de prejuízo.