“Fábrica” de armas de fogo é encontrada em Jundiapeba

 Gisseone Souza foi detido com arma, drogas e ferramentas, no Distrito de Jundiapeba / Foto: Divulgação
Gisseone Souza foi detido com arma, drogas e ferramentas, no Distrito de Jundiapeba / Foto: Divulgação

Após receber uma denúncia, o delegado Eduardo Peretti, titular do 2º Distrito Policial, no Jardim Boa Vista, em Suzano, e a sua equipe de policiais, descobriram, ontem (18) de manhã, uma “fábrica” de armas, que funcionava em uma casa na Rua Professora Lucinda Bastos, em Jundiapeba. No local, a equipe prendeu o serralheiro Gisseone Souza da Silva, conhecido como “Seone”, de 37 anos. A atuação da equipe ocorreu na Operação da Polícia Civil, coordenada pelo seccional Marcos Batalha, iniciada ontem em Mogi das Cruzes e todos os mnicípios da Região do Alto Tietê.

Uma arma de fogo artesanal, sem qualquer tipo de característica, como calibre e numeração, previamente montada pelo acusado, foi apreendida pelo delegado Eduardo Peretti. “Nós ainda encontramos várias ferramentas que ele (Gisseone) utilizara para produzir as armas. Estamos investigando ainda, mas tudo indica que ele montava uma espécie de carabina, de calibre 12, e a alugava para traficantes, que mantêm pontos de vendas de drogas em Mogi e nas cidades da Região”.

A casa do suspeito foi vasculhada e o delegado Peretti disse que “encontrei uma porção de crack escondida dentro de um esterilizador”.

Diante das provas coletadas pela Polícia Civil, Gisseone Souza foi algemado, colocado na viatura e escoltado ao 2º Distrito Policial, em Suzano, onde o delegado Peretti o autuou em flagrante por comércio ilegal de arma de fogo, artigo 17, parágrafo único, da Lei 10.826/03. Gisseone ainda responderá por tráfico de entorpecentes.

O serralheiro não tinha antecedentes criminais e residia sozinho. Interrogado pelo delegado Peretti e os seus policiais Alexandre Odashima, o “Xandão” (chefe) e Rogério de Amorim, ele desconversou sobre a denúncia. “No local, ele negou o crime, mas aqui na Delegacia, durante a elaboração do auto de prisão em flagrante, ele (Gisseone) resolveu permanecer em silêncio, explicando que somente vai falar ao juiz no Fórum”. (Laércio Ribeiro)

Leia a matéria completa na edição impressa