INFORMAÇÃO

Filló, ex-prefeito de Ferraz, escreve livro em presídio

MARKETING O jegue feito de fibra ajuda loja a vender baterias para autos junto ao meio-fio da Rua Cabo Diogo Oliver, no Bairro do Mogilar. (Foto: Eisner Soares)
MARKETING O jegue feito de fibra ajuda loja a vender baterias para autos junto ao meio-fio da Rua Cabo Diogo Oliver, no Bairro do Mogilar. (Foto: Eisner Soares)

Repórter-detento entrevista alguns dos mais famosos criminosos do País

O livro “Diário de Tremembé – O presídio dos famosos” está à venda, ainda que seu lançamento oficial não tenha acontecido, por uma razão óbvia: o seu autor, Acir Filló, ex-prefeito de Ferraz de Vasconcelos e jornalista, está preso e divide espaço com os principais personagens de sua obra. Gente como Cristian Cravinhos, condenado pela morte dos pais de Suzane Von Richthofen, em 2002; Guilherme Longo, suspeito de matar o enteado Joaquim, em 2013; Lindemberg Alves, condenado pelo assassinato da namorada Eloá, em 2008; Mizael Bispo de Souza, condenado pela morte da namorada Mércia Nakashima, em 2010; além de, entre tantos outros, Alexandre Nardoni, condenado pela morte da filha, em 2008; e do médico Roger Abdelmassi, conhecido especialista em reprodução humana assistida, também condenado a 191 anos de prisão, após ter sido acusado de 48 estupros de 37 mulheres, clientes que o procuraram em sua clínica em busca do sonho da maternidade. A exemplo do autor, preso por corrupção quando era prefeito de Ferraz, a maioria deles continua garantindo que é inocente. Todos foram entrevistados por Filló que aproveitou o recesso prisional para escrever as histórias de seus colegas de presídio. O livro “Diário de Tremembé” (Editora Nova Brasil Esperança, 360 págs., R$ 59,90), que está à venda pela internet e também em uma banca de jornal nas proximidades da estação ferroviária de Ferraz de Vasconcelos, é cheio de histórias reveladas pelos entrevistados do autor e por seus próprios depoimentos acerca de fatos que ele testemunhou dentro do presídio de segurança máxima, onde estão alguns dos mais famosos criminosos do País. Em recente reportagem sobre a obra, o repórter Rogério Pagnan, da Folha de S. Paulo, relata um dos desses casos: uma pelada que estava sendo organizada, por sugestão de detento com problemas psiquiátricos, com estupradores de um lado, ladrões de outro, para uma partida que antecederia a dos políticos contra os assassinos, arbitrada por nada menos que Alexandre Nardoni. O livro de Filló promete mais sucesso que o seu anterior, uma biografia do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), lançada durante a campanha do político para a reeleição ao governo estadual de São Paulo. À época, Filló dava os primeiros passos na política e acabou caindo nas graças de Alckmin, que lhe ofereceu farto material para o livro. Depois de ser vereador e ter chegado à Prefeitura de Ferraz, vieram as denúncias de corrupção e a prisão, por suspeita de corrupção, que o levou para Tremembé, em abril de 2017. Dois anos depois, Filló continua dizendo que é inocente.

Café no PL

O vereador Antonio Lino (PSD) convidou vários líderes comunitários da cidade para um café com o ex-deputado Valdemar Costa Neto, amanhã, no escritório do partido, na rua Coronel Souza Franco. Há quem diga que pode ser um primeiro passo para a reaproximação do político com a comunidade mogiana, da qual Valdemar está afastado desde seu envolvimento no episódio do mensalão.

Memórias

Michel Andere, fundador da antiga Torrefadora Café Michel, que marcou época na cidade, esteve em Mogi, onde visitou o empresário Henrique Borenstein, acompanhado de seus primos José Nelson, Francisco José e Antonio Andere. Aos 90 anos, Michel reside em Paraisópolis, no sul de Minas, mas deixou muitos amigos em Mogi, onde atuou profissionalmente entre os anos 50 e 60. Entre eles, Borenstein, com quem rememorou histórias do município, à época.

Audiência

O Movimento Braz Cubas em Ação solicitou ao chefe de gabinete, Romildo de Pinho Campello, uma audiência com o prefeito Marcus Melo (PSDB) para cobrar algumas promessas feitas no passado e apresentar novas reinvindicações relacionadas a problemas existentes atualmente no distrito de Braz Cubas.

Pracinhas

A banda de música, guarda à Bandeira e a 12ª Brigada de Infantaria Aeromóvel do 6º Batalhão de Infantaria Leve do Exército, de Caçapava, irão participar da 32ª comemoração do Dia do Pracinha Salesopolense, que acontece neste domingo, em Salesópolis. A programação terá início com uma missa na matriz, às 8 horas; em seguida, às 10 horas, haverá hasteamento das bandeiras, homenagens aos pracinhas da cidade que lutaram na 2ª Guerra Mundial e o compromisso à Bandeira por jovens da cidade. Vinte salesopolenses foram convocados para as batalhas nos campos da Itália. Todos já faleceram.

Frase

Estão fazendo muita coisa em nome da lei. Inclusive vítimas.

Fraga, 48 anos, humorista, cartunista, publicitário e jornalista