EM CENA

Filme “Um Jovem Mogiano” será lançado em dezembro e cria um super-herói para a cidade

EM CENA Kennedy Cardoso interpreta Ícaro Casebre, um bom menino que descobre ter alguns poderes e decide usá-los para o bem da cidade. (Foto: divulgação)

Os personagens que compõem supergrupos como ‘Os Vingadores’ ou ‘A Liga da Justiça’ são legais e fazem a alegria da garotada, mas não têm conexão com Mogi das Cruzes. No entanto, a cidade conta agora com um super-herói para chamar de seu: ‘Um Jovem Mogiano’, que também é o título do novo filme independente da produtora local Cine Cântaro, com lançamento marcado para o dia 20 de dezembro, no Centro Cultural.

O ‘Jovem Mogiano’ é Ícaro Casebre (Kennedy Cardoso), um bom menino que ajuda sua mãe, dona de um brechó. Certo dia ele descobre ter alguns poderes, como supervelocidade, superforça e capacidade de se teletransportar, e com a ajuda de sua amiga, Ariane (Larissa Oliveira) resolve usá-los para o bem da cidade.

Sendo assim, não havia outros perigos para enfrentar senão uma equipe de supervilões à altura. A justificativa para tanto é que um inescrupuloso empresário, Bertollo Karamal (Andy Montecristo), recruta outros capangas e cria a Liga dos Desligados para tentar destruir a vida do protagonista, extrair seus poderes e ainda “dominar a cidade”.

Como conta o fundador da produtora, roteirista, diretor e até mesmo um dos atores do longa, Wilson Soares Cardoso, trata-se de “um filme para toda a família, com muita diversão, no estilo típico das histórias em quadrinhos”. “Sempre gostei de desenhos animados, e resolvemos fazer nosso próprio super-herói, daqueles que ao colocar máscara ninguém sabe mais quem é”, afirma.

Certo, mas e os vilões? “Eram pessoas boas que tiveram insatisfações na vida. Um era costureiro, o outro palhaço, o outro professor. Só que as atividades que eles exerciam incomodavam seus superiores, e frustrados, decidiram descambar para o crime”, explica um Wilson empolgado e entusiasmado com a possibilidade de trabalhar com elementos de fantasia. “Cada um recebe uma arma com um poder especial”, complementa.

A combinação de superpoderes exigiu algo difícil para uma produção independente, financiada com recursos próprios e isenta de patrocínio: efeitos especiais. Mas, dentro do possível, ‘Um Jovem Mogiano’ entrega o que promete e surpreende o espectador com raios de luz e elementos sobre-humanos, como uma pedra gigante sendo levantada pelo mocinho.

Wilson comenta que para o resultado ficar satisfatório, mais do que dinheiro, é preciso ter tempo dedicado ao projeto. “Tem uma cena em que uma menina é salva de ser atropelada por um trem. Isso leva cerca de 16 segundos na tela, mas levamos cinco horas para fazer”. E há outros números interessantes. A abertura do projeto traz os personagens estilizados como em desenho animado. Tem duração de um minuto e meio, mas precisou de 10 horas de edição.

A pós-produção, porém, já estava prevista nos planos da Cine Cântaro, que aproveitou no corte final pouco mais de duas das 100 horas de filmagem iniciada no último mês de maio. Aliás, as gravações, como de costume da produtora, foram todas feitas em Mogi, e por isso é possível reconhecer cenários tradicionais do município, como “o Obelisco central, onde foram feitos registros de madrugada, para não ter movimento” e também praças, a Serra do Itapeti e outros pontos.

Outra curiosidade é que o elenco é formado pelo próprio Wilson e também por sua família e amigos. Quem dá vida ao herói é o filho dele, Kennedy, enquanto a outra filha, Nínive, faz uma ponta num flashback. Já a mãe do protagonista é interpretada por Joceli Cardoso, a esposa do cineasta. E até o irmão dele, Wanderley, mais conhecido como Andy Monte Cristo, atuou, como um dos vilões.

Essa dinâmica acontece desde o início da Cine Cântaro. O primeiro longa foi ‘Uma Simples Entrega’ (2016), que questiona se dinheiro traz felicidade, o segundo foi ‘Bregas, Porém Salvos!’ (2017), que fala da exploração do mercado de shows gospel, e o terceiro foi ‘Muito Mais Real’ (2018), que fala de lendas sobrenaturais.

A novidade é que, audaciosos, com o lançamento deste ano os produtores independentes dizem terem feito uma quadrilogia, com personagens que frequentam todos os filmes. “Criamos um universo próprio de personagens que não chegam a ser os principais, mas são importantes para as histórias. E para entender, é preciso assistir a tudo”.

O objetivo de Wilson é continuar com este trabalho e lançar um longa por ano, sempre com mensagens implícitas sobre espiritualidade e o universo cristão, destinadas a pessoas de todas as idades, principalmente as que gostam de comédias. Ele adianta que o título de 2020 será ‘O Vírus do Tempo’, com viagens temporais.

Por enquanto, é possível assistir a ‘Um Jovem Mogiano’ no Centro Cultural, a partir das 19 horas do dia 20 de dezembro. O endereço é Praça Monsenhor Roque Pinto de Barros, 360, no Centro, e o telefone para outras informações é 4798-6988. Depois desta data, a previsão é de que a película seja liberada gratuitamente no YouTube no início do ano que vem.


Deixe seu comentário