INFORMAÇÃO

Folclore Político (CIV) Socorro aos corredores

VELOCIDADE Waldemar, que corria de kart em pistas regulares, mandou ambulância para a área de “rachas”, junto à praça João Batalha, no Shangai. (Foto: arquivo O Diário)

“Os feridos devem ir para a Santa Casa e os mortos para o Necrotério”

Nesta semana, visitando os arquivos da década de 1980 deste jornal, o colunista encontra, nesta mesma Informação, a cópia do bilhete assinado pelo prefeito da época, Waldemar Costa Filho, em segundo mandato, acerca de um fato inusitado já abordado pelo “folclore”. Em plena construção da avenida Narciso Yague, por conta da interdição havida nas vias próximas à praça João Batalha, no Shangai, alguns motoristas decidiram usar parte da Olegário Paiva e da própria avenida para “rachas”, aos finais de semana. Na Mogi de poucas opções de lazer noturno, as competições com carros já preparados para arrancadas e curvas em altíssima velocidade passaram a atrair um grande público que se acomodava junto à praça para assistir aos “pegas”. Diante da ausência da polícia, o público crescia a cada fim de semana. Questionado sobre o assunto, o prefeito, que já havia sido corredor de kart, nada respondeu. Até que chegou à imprensa o bilhete encaminhado por ele ao coordenador de Saúde, frei Ignácio De Jong: “As corridas noturnas de automóveis e motos que habitualmente vêm se verificando na Avenida Narciso Yague Guimarães vêm aumentando dia a dia. Essas corridas se iniciam sempre a partir das 23 horas e contam com grande público assistente. Para corrigir tal distorção, ou seja, evitar o excesso de velocidade, a fiscalização não cabe à Prefeitura. A avenida encontra-se sinalizada e os sinais devem ser respeitados. Portanto, a partir de hoje, coloque uma ambulância de plantão na referida avenida. Se algum desastre porventura ocorrer, os feridos devem ser enviados à Santa Casa e os mortos ao Necrotério”. No próximo final de semana, lá estava a ambulância estacionada no canteiro central da avenida e por lá ficou até que após uma visita de Waldemar ao secretário de Segurança Pública da época, a Polícia Militar decidiu entrar em ação e pôr fim ao festival de capotamentos, derrapagens e freadas sensacionais nas madrugadas de muita festa e emoção do bairro do Shangai.

No Largo – 1

Nelusco Boratto, o conhecido Nelo, havia deixado os 60 anos para trás fazia algum tempo e, por conta disso, sofria com os efeitos da idade já avançada. Passar pelo piso irregular do Largo Bom Jesus era verdadeiro suplício. Alguns tombos e ferimentos o levaram a reclamar com o prefeito Waldemar, seu amigo dos tempos de bancário. Waldemar prometeu solução, mas a praça estava na área de preservação do patrimônio histórico, o que exigiria muita burocracia antes de qualquer medida.

No Largo – 2

O prefeito pensou, pensou e…decidiu. Numa sexta-feira à noite, ele convocou o pessoal da pavimentação e, em algumas horas, cobriu com asfalto os paralelepípedos que tanto maltrataram o amigo Nelo. No sábado, pela manhã, a surpresa generalizada com a praça asfaltada. Chiadeira dos defensores do patrimônio e muita festa de Nelo, que comemorou com uma cerveja estupidamente gelada, no bar mais próximo. Com espuma em abundância, como era de seu feitio.

Sem explicação

Esta foi contada pelo arguto Claudio Humberto, em seu Poder Sem Pudor. Paulo Maluf perdeu a eleição para prefeito de São Paulo, em 1990, apesar do gênio criativo do marqueteiro Duda Mendonça – que fez um dos primeiros trabalhos importantes na área. Duda decidiu explicar as razões da derrota e até pedir desculpas. Maluf não o permitiu: “Meu caro Duda, nunca se explique. Para os amigos, não precisa e, para os inimigos, não adianta!”

Dupla queda

O fato ocorreu nesta semana, na Prefeitura de Mogi, quando o primeiro escalão se preparava para o encontro semanal com Marcus Melo. Os secretários entravam na sala, ao lado do gabinete do prefeito, quando o secretário de Saúde, Chico Bezerra, tropeça numa cadeira e se estatela no piso. O secretário Nilo Guimarães, de Esportes, sem o mesmo físico dos tempos de Seleção Brasileira de Basquete, se prontifica a socorrer o colega. Tenta levantar Bezerra, mas perde o equilíbrio e cai também sobre o amigo. A cena inusitada foi o assunto da semana na Prefeitura, onde funcionários comentavam: “Já tem secretário caindo, antes mesmo de ser demitido pelo prefeito…”

Tem uma boa história do folclore político regional para contar? Então envie para

darwin@odiariodemogi.com.br