AVALIAÇÃO

Grandalhão, Audi Q7 destaca-se pelo porte. E anda bem também

O Q7 é o maior SUV da linha Audi, com 5,05 metros de comprimento (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

De cara, o que mais chama atenção mesmo é o grande porte do Audi Q7. A atual geração nem é tão nova, tendo chegado ao Brasil há quase dois anos, em fevereiro de 2016, mas o fato de não haver tantos exemplares do modelo circulando por aí, até mesmo por conta do alto valor cobrado, faz com que o Q7 ainda arranque alguns olhares curiosos. Mesmo na discreta tonalidade cinza metálica da unidade avaliada.
O utilitário grande serve mesmo como uma vitrine tecnológica para a marca, pois agrega as principais novidades disponíveis na fabricante das quatro argolas. E é com o propulsor 3.0 litros turbo a gasolina que ele expressa sua veia mais esportiva, a despeito de suas quase duas toneladas de peso e dimensões avantajadas.

Completo, incluindo opcionais bacanas, o Q7 é extremamente caro, passando dos R$ 520 mil (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

O propulsor a gasolina rende 333 cv de potência e 44,9 kgfm de torque, sempre acompanhado pelo sistema de tração integral Quattro e câmbio automático de oito velocidades. O trem de força é suficiente para levar o modelo à máxima de 250 km/h – limitada eletronicamente – e partir do zero e chegar aos 100 km/h em apenas 6,1 segundos. Para reduzir o consumo gasto diante de tanto vigor, a Audi adotou no Q7 Ambition 3.0 TFSI o sistema inteligente “start/stop”, que desliga o motor quando o carro atinge velocidade inferior a 7 km/h.
Há os modos de condução Eficiência, Conforto, Auto, Dynamic, Individual e Off-road, mas é no modo Dynamic que o SUV deixa toda a sua esportividade à mostra. Mesmo em velocidade alta e curvas acentuadas, a estabilidade é irretocável. A direção se mantém firme o tempo todo. A capacidade para o fora de estrada também é notável, mérito da já conhecida tração integral Quattro, tradicional na linha aventureira da fabricante. Faz qualquer um se sentir um desbravador de trilhas nato.

O Q7 divide a plataforma com Porsche Cayenne, Bentley Bentaiga e Lamborghini Urus (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

A lista de itens de série é razoável, mas a melhor parte fica reservada aos pacotes opcionais pagos por fora. O virtual cookpit – tela de 12,3 polegadas personalizável com as principais informações do veículo no lugar do quadro de informações – vem de fábrica. Há também “head up display” e central multimídia com sistema de voz, navegação GPS, Bluetooth, acesso à internet e sistema de som premium da Bose. A tela no console central é escamoteável, mas não sensível ao toque.
O modelo traz como opcionais controle de cruzeiro adaptativo, eixo traseiro dinâmico, que esterça eletricamente as rodas em até cinco graus, faróis full LED, sensor de ponto cego, assistente de desembarque e de tráfego reverso e suspensão adaptativa a ar. Esses itens, no entanto, ampliam bastante o preço inicial de R$ 424.990. Completo, passa de R$ 520 mil, aí incluído também uma terceira fileira de bancos, que eleva a capacidade para sete passageiros.

O SUV grandalhão da Audi vem bem equipado, porém os melhores itens do carro são opcionais (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

O Q7 é o maior SUV da marca, dividindo a plataforma com o Porsche Cayenne, também do Grupo Volkswagen. Tem 5,05 metros de comprimento, 1,97 metro de altura, 1,74 metro de largura e 2,99 metros de distância entre-eixos, com peso de 1970 quilos. Por fora, a grade dianteira tem frisos grossos e cromados que se alinham aos faróis e, na lateral, um grande vinco percorre o perfil inteiro, se ligando ao contorno da lanterna e dos faróis.
Por dentro, o couro dos revestimentos pode ser em quatro tonalidades diferentes: preta, cinza, bege ou marrom. Na frente, todos os ajustes são elétricos e o do motorista conta com memória. Ar-condicionado automático de quatro zonas e iluminação interna em LED também são itens de série. (Márcio Maio/AutoPress)

Ponto a ponto – Audi Q7 Ambition

Desempenho – Os propulsores utilizados pela Audi têm como característica marcante o vigor. Não é diferente com o 3.0 V6 turbo, com 333 cv, do Q7. Ele se mostra disposto em qualquer faixa de giro. Basta pisar com força o acelerador para se fazer presente e colar as costas dos ocupantes no banco. A velocidade sobe de forma surpreendente, mesmo com quase duas toneladas de peso do utilitário esportivo. Prova disso é o bom zero a 100 km/h, cumprido em apenas 6,1 segundos. Nota 10
Estabilidade – O Q7 se mostra absolutamente neutro nas curvas, apesar do porte de utilitário grande. Para isso, contribui seu peso, mas também o eficiente conjunto suspensivo. Mesmo quando se exagera na velocidade, a tração integral faz com que as quatro rodas mantenham sempre a aderência. A direção elétrica também induz a sensação de segurança, já que ganha boa firmeza a cada avanço do ponteiro do velocímetro. Nota 10
Interatividade – De maneira geral, a Audi trabalha na estratégia do “oito ou 80”. Quase tudo é muito bem resolvido no modelo germânico, a começar pela pequena alavanca da transmissão, que é prática e muito charmosa. O cockpit virtual, presente nos últimos lançamentos da marca, é complementado pelo “head up display”, fazendo com que dificilmente o motorista precise desviar demais seu olhar do trajeto. Mas o sistema multimídia segue um padrão antiquado, sem tela sensível ao toque. Ela é operada por comandos vocais, por um botão giratório ou por um pouco prático “touchpad”. Quando equipado com terceira fileira de bancos, no entanto, o carro traz acionamento elétrico desses assentos, o que facilita demais seu funcionamento. O porta-malas se abre por um sensor de movimento sob o para-choque quando a chave está próxima, favorecendo na hora das compras ou de colocar as malas. Nota 7
Consumo – O InMetro avaliou o Audi Q7 no Programa Brasileiro de Etiquetagem e aferiu médias de 6,9 km/l na cidade e 8,7 km/l na estrada, sempre com gasolina. O resultado foi nota “E” tanto na categoria quanto no geral. Nada compatível com a atual tendência de busca pela eficiência energética. Nota 5
Conforto – O espaço é muito bom e os bancos são extremamente confortáveis. Os assentos da terceira fileira opcional, com acionamento elétrico, já não são tão generosos. A suspensão filtra de forma competente os desníveis do solo e o isolamento acústico é digno de elogios: o ronco do propulsor só invade a cabine quando se eleva bastante os giros e o barulho é instigante. O passeio dos passageiros da frente ainda pode contar com bancos climatizados e equipados com massageadores. O sistema de climatização também atua rapidamente e é difícil encontrar algum problema nesse aspecto no Q7 Ambition. Nota 10
Tecnologia – O trem de força é moderno e há uma boa lista de itens disponível, mas os que se diferenciam são pagos à parte. Completo, o Q7 pode ter sensor de ponto cego, alerta de desembarque, assistente de visão noturna, sensor de tráfego cruzado traseiro para saída de vagas, assistência de farol alto, câmara 360 graus, eixo traseiro dinâmico, controle de cruzeiro adaptativo e outras funções. A plataforma é nova e bem tecnológica, também utilizada pelo Bentley Bentaiga, Lamborghini Urus e Porsche Cayenne. Nota 9
Habitabilidade – O acesso é facilitado pelo excelente ângulo de abertura das portas e pelo sistema de travas e partida do motor sem chave. São 2,99 metros de distância entre-eixos, o que proporciona um habitáculo bem amplo. O porta-malas recebe 295 litros com sete lugares, excelentes 890 litros com cinco lugares e, com a segunda fileira de bancos rebatida, 2.075 litros. Nota 10
Acabamento – A elegância e a sobriedade imperam no interior. O padrão é bem semelhante ao utilizado na linha A8, a mais requintada da marca. Materiais nobres se misturam aos revestimentos em couro, que podem ter quatro opções de cores. Há peças em alumínio escovado e os plásticos são suaves ao toque. Nota 9
Design – A atual geração do Audi Q7 segue a assinatura visual da marca alemã, com linhas que misturam elegância e esportividade e que se destacam nas ruas. Mas, no caso específico deste SUV, não é seu desenho que chama mais atenção e sim o porte. Tanto que as linhas, de maneira geral, contribuem para dar uma ideia maior tanto de largura quanto de comprimento. Nota 8
Custo/Benefício – A Audi pede R$ 424.990 pelo Q7, mas completo o modelo passa de R$ 520 mil, ficando mais ou menos na média de preço de um BMW X5 ou Mercedes-Benz GLE equivalentes. Nota 7
Total – O Audi Q7 Ambition 3.0 TFSI somou 85 pontos em 100 possíveis.