Grupo é empossado na Academia Mogicruzense de História

O professor Glauco Ricciele e o ex-expedicionário Miled Cury Andere, um dos patronos da nova Academia / Eisner Soares
O professor Glauco Ricciele e o ex-expedicionário Miled Cury Andere, um dos patronos da nova Academia / Eisner Soares
LUCAS MELONI

Uma tarde de glória para a elite intelectual, pensadora e artística de Mogi das Cruzes. Assim pode ser resumida a fundação da Academia Mogicruzense de História, Artes e Letras (Amhal), que ocorreu ontem, 1º de setembro, dia do aniversário de Mogi das Cruzes. O grupo de acadêmicos empossado tem o objetivo de preservar e estimular as atividades culturais, históricas e literárias da cidade.
O evento de lançamento ocorreu na Igreja da Ordem Terceira do Carmo, no Centro Histórico, e atraiu pouco mais de uma centena de pessoas.
A inspiração do projeto foi a Academia Brasileira de Letras (ABL) e a ideia partiu do professor Glauco Ricciele. “Há sete meses começamos a discutir como colocar em prática este sonho. Nós fizemos os convites, algumas pessoas gostaram da ideia e este projeto foi viabilizado. Ele é fruto de trabalho e apoio de muitas pessoas”, afirmou.
Neste início de trabalho, a Amhal tem 30 patronos (mas deve chegar a 40) e 15 acadêmicos homenageados. Entre eles estão os professores Josemir Ferraz de Campos, Jurandyr Ferraz de Campos, Mieka Fukuda, Luci Bonini, Ivone Marques Dias, Marina Mendes Vecchi e o artista plástico Nerival Rodrigues da Silva, entre outros nomes da cultura e da educação de Mogi das Cruzes.
O jornalista Tirreno Da San Biagio, fundador do Grupo Diário, falecido no ano passado, é um dos patronos. O acadêmico Josemir Ferraz de Campos ficou com a cadeira 7, a que tem a tutela de Seu Tote.
As cadeiras vazias devem ter acadêmicos indicados a partir dos próximos anos. A intenção é que os nomes sejam apontados em cerimônias a serem realizadas em cada 1º de setembro.
Dois dos patronos estão vivos, uma diferença do que ocorre com outras academias. São eles o cartunista Mauricio de Sousa, que não pôde estar presente, e o professor e ex-expedicionário Miled Cury Andere.
O prefeito Marco Bertaiolli abriu o evento. A sede da Amhal será na Rua Senador Dantas, 402.
Surge assim, na Mogi das Cruzes de 456 anos, um importante grupo de preservação da memória cultural e histórica da Cidade. Vida longa aos acadêmicos.