INFORMAÇÃO

Grupo Mahindra pode estar mais perto de Mogi

Diretor Jak Torretta pode voltar dos EUA com boas notícias

Mogi das Cruzes pode estar perto de receber uma boa notícia: a instalação na cidade da esperada fábrica de tratores do grupo indiano Mahindra, um dos maiores de todo o mundo no setor de equipamentos para agricultura. Segundo o vereador Pedro Komura (PSDB), que vem acompanhando e participando, há mais de um ano, das negociações para a vinda da fábrica para a cidade, o diretor geral de Operações do Grupo Mahindra no Brasil, Jak Torretta Junior, encontra-se nos Estados Unidos, reunido com os principais dirigentes da empresa, e poderá volta ao Brasil, logo após o período de carnaval, com a informação que poderá ser decisiva para assegurar um salto de qualidade ao setor industrial da cidade. A expectativa do vereador é grande e positiva. Afinal, durante o último ano e meio, Komura pôde participar de um longo processo de “construção” de Mogi perante o grupo indiano e de “desconstrução” de outras cidades que também vinham atuando nos bastidores para a conquista da futura unidade fabril. Segundo apurou esta coluna, caso decida se instalar em Mogi, a direção da Mahindra deverá optar por se instalar em uma área localizada ao longo da futura Avenida das Orquídeas, entre os distritos de Braz Cubas e Jundiapeba, podendo se transformar no empreendimento-âncora de uma das futuras áreas mais valorizadas da cidade. As negociações entre o proprietário do terreno, o empresário Fumio Horii, e a direção da Mahindra estariam bastante avançadas, embora se saiba também que a construção da futura área de produção de tratores deverá ficar sob responsabilidade de uma outra empresa, especializada em construir e locar espaços para grandes indústrias. Caso se confirme todo o otimismo do vereador, a fábrica de tratores será a maior conquista do setor industrial mogiano, desde a instalação da unidade da General Motors, no bairro do Taboão, perto de completar duas décadas. As previsões de novos empregos e de aumento na arrecadação do município são sinais positivos para um ano que começou sob o signo da indefinição político-econômica. Resta, portanto, torcer para que Jak Torretta retorne dos EUA com boas notícias. A instalação de uma fábrica do porte da Mahindra certamente será motivo de comemoração pela cidade.

Expansão – 1
A rede Shibata de supermercados está prestes a completar 25 lojas, com as inaugurações, neste mês, da unidade de Calmon Viana, em Poá, na primeira quinzena, e de São Miguel Paulista, na Capital, no final de março. Em Poá serão 2.500 m² de área de vendas, 20 checkouts (caixas), 230 vagas de estacionamento e 175 colaboradores. A loja de São Miguel vai empregar 265 funcionários num espaço de 3.600 m², com 20 caixas.

Expansão – 2
Surgido há 42 anos, em Mogi, o grupo Shibata mantém, atualmente, 23 lojas em 13 cidades do Alto Tietê, Vale do Paraíba e Litoral Norte, assim distribuídas: Mogi (4), Itaquá (1), Biritiba Mirima (1), Suzano (1), Ferraz (1), Jacareí (6), São José dos Campos (1), Caçapava (1), Pindamonhangaba (1), Aparecida (1), Taubaté (2), Caraguatatuba (2), São Sebastião (1).

Iluminação
Os problemas envolvendo a iluminação pública de Mogi serão discutidos pelos vereadores com o secretário Walter Zago Ujvari, de Obras, às 10 horas do próximo dia 13 de março, na Câmara. O encontro está sendo organizado pelo presidente da Comissão de Obras e Urbanismo do Legislativo, Cuco Pereira (PSDB). O contrato da Prefeitura com a Trajeto Engenharia & Comércio, responsável pelos serviços na cidade estará entre os assuntos da reunião.

Na Polônia
O músico mogiano Luiz Guilherme de Godoy, entrevistado no último domingo por este jornal, voltou a ser cidadão do mundo, após uma rápida passagem por Mogi das Cruzes, onde reviu amigos e cuidou de duas dissertações de mestrado para a Universidade de Música e Artes Performáticas de Viena. Hoje, já em Gdansk, ele vai reger um concerto com a Filarmônica Báltica da Polônia, inspirado em danças carnavalescas europeias.

Frase
Cada um se defende como pode. Cachorro morde. Boi chifra. Deputado vota contra.
Paulo Heslander, deputado federal pelo PTB de Minas Gerais