EVOLUÇÃO

Hoje com 268 mil veículos, frota de Mogi das Cruzes cresceu 62,7% nos últimos dez anos

Mogi tem um carro para cada dois habitantes. (Foto: arquivo)
Mogi das Cruzes tem um carro para cada dois habitantes. (Foto: arquivo)

Os números são expressivos. A população estimada de Mogi das Cruzes em 2019, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 445.842 pessoas. Enquanto isso, a Secretaria Municipal de Transportes afirma que até outubro 268.048 veículos já circulavam na cidade, o que representa um veículo a cada dois moradores. Nos últimos dez anos, o crescimento foi de 62,7%, tendo hoje 103.318 automóveis a mais do que em 2009, quando eram 164.730. Além dos carros da frota própria, o trânsito é composto pelo tráfego flutuantes e de caminhões de carga.

Com esse crescimento da frota, o trânsito do município tem se intensificado. O problema tem causa. A cidade tem 459 anos e parte dela foi projetada para receber a movimentação de cavalos e carroças. Por isso, é necessária a construção de novas vias e a adoção de medidas para dar maior fluidez do tráfego.

É o caso das mudanças que a Secretaria promoveu na última semana na rotatória Kazuo Kimura, próxima ao Habib’s, no Mogilar. A implantação de semáforos no equipamento não agradou aos motoristas, que têm reclamado do trânsito naquela região. Por ali, passam 8.925 veículos por hora e 73.893 por dia e segundo o titular da pasta, José Luiz Freire de Almeida, a intenção era minimizar os conflitos.

“Pelas nossas observações, o que está acontecendo ali está dentro do que estava programado, porque os semáforos trouxeram maior segurança tanto para os carros que vão passar pela rotatória, como para os pedestres. Ainda assim, nós vamos sempre ficar atentos ao que pode ser melhorado. O Terminal Geraldo Scavone está passando por adequações e nós pretendemos tirar a saída de ônibus da Avenida Francisco Rodrigues Filho e levar para a Manoel Bezerra Lima Filho, o que vai melhorar bastante aquele trecho”, ressaltou o secretário.

Por mais que os remanejamentos estejam sendo pensados, José Luiz acredita que o trânsito na região do Mogilar e César de Souza será, de fato, minimizado com a concretização do Projeto Eco +Tietê. Na opinião do secretário a obra será uma “revolução”, já que será capaz de levar o movimento dali direto para outras vias mais afastadas da área central da cidade.

Ainda segundo o secretário, a pasta vem pensando em outras mudanças para a cidade, sempre pensando em maior segurança e melhoria da mobilidade. É o caso do cruzamento entre as avenidas Julio Simões e Francisco Ferreira Lopes, onde alterações devem ser feitas para facilitar a entrada dos veículos na rotatória e também para diminuir a série de acidentes que passou a ser registrado nesse ponto de grande movimentação de veículos entre Braz Cubas e Jundiapeba.

Outro cruzamento que preocupa José Luiz está entre a Rua David Brobow e a Avenida Valentina Mello Freire Borenstein. “A própria Secretaria Municipal de Serviços Urbanos deverá fazer intervenções em uma das ruas paralelas para que seja possível desviar o trânsito e melhorar aquela região que fica bem complicada, principalmente nos horários de pico”, revelou o chefe da pasta.


Deixe seu comentário