INFORMAÇÃO

Hora de dedicar atenção aos animais abandonados

Mogi das Cruzes tem se destacado, nos últimos tempos, pelo socorro prestado a animais silvestres, encontrados em situação de penúria, em áreas urbanas e rural da cidade. Situado numa posição estratégica, entre as serras do Mar e do Itapeti, alvos constantes de ocupações irregulares e devastação, o municípo passou a ser visitado, com inesperada frequência, por aves e outros bichos, pouco comuns em épocas passadas. Pouco afeitos à vida urbana, esses animais logo se tornam vítimas de automóveis, de predadores e das dificulddes naturais de quem ingressa em um habitat estranho e adverso. O resultado dessa situação são animais feridos ou ameaçados por outras espécies – inclusive a humana – e até pela fatal de alimentos adequados às respectivas dietas. Para os que são encontrados em tais condições, o porto seguro tem sido o veterinário Jefferson Renan Araújo, que os atende em sua clínica particular ou no Setor de Zoonoses municipal, onde também atua. Tais condições, entretanto, não são as ideais, como o próprio Jefferson admite, pois há casos em que há necessidade de mais espaço ou condições específicas para certos atendimentos. Como ocorreu no episódio do jacaré capturado num sítio para ser levado a uma unidade de atendimento situada fora de Mogi. Quando o bicho já estava capturado, a surpresa: a vaga a ele destinada fora preenchida e o animal teve de esperar mais alguns dias, até que se encontrasse um outro local para levá-lo. E como fazer para manter um animal daquele porte em uma clínica? Foi um verdadeiro Deus nos acuda! Há outros casos de animais feridos, necessitados de cirurgias que exigem um ambiente especialmente preparado para isso. Só mesmo a boa vontade do veterinário para contornar tantos problemas. Por essas e outras é que o próprio Jefferson vem, há tempos, reivindicando a instalação na cidade de um Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), vinculado ao Ibama e ao Ministério do Meio Ambiente. Tal unidade é responsável pelo manejo dos animais silvestres que são recebidos da ação fiscalizatória, resgate ou entrega voluntária da particulares. O Cetas tem a finalidade de receber, identificar, marcar, triar, avaliar, recuperar, reabilitar e destinar tais animais com objetivo de devolvê-los à natureza, além de realizar e subsidiar pesquisas científicas, ensino e extensão. O veterinário, no entanto, tem sido voz solitária em defesa da iniciativa. Sem respaldo político e da própria comunidade, torna-se cada vez mais difícil conseguir algo semelhante para a cidade. Com a tendência de agravamento da situação dos animais silvestres, instalação do Cetas merece uma atenção especial das autoridades e dos mogianos em geral. Os animais agradecem.

Bandeira

O ouvidor municipal, Romildo de Pinho Campello, garantiu à coluna que neste início de semana haverá a substituição da bandeira de Mogi das Cruzes hasteada junto à rotatória Kazuo Kimura, no Mogilar. Adquirido pela Prefeitura, o novo pavilhão foi entregue no final de semana passado. Em moção, na Câmara, o presidente interino, vereador Otto Flores de Rezende (PSD) denunciou a “imagem molambada” da bandeira que, segundo ele, “tremulava aos frangalhos”.

Autismo

Considerado por especialistas como um verdadeiro guia para pais e mães de autistas, educadores e psicológos, o livro “Autismo – Práticas e Intervenções” será lançado amanhã, entre 19 e 22 horas, na Livraria Estância dos Reis (LER), na rua Carmela Dutra, 295. A obra – da Editora Memnon – Edições Científicas – foi organizada pela psicóloga, psicopedagoga e neuropsicóloga, Luciana Garcia, respeitada estudiosa da doença no País, com a participação de outros 16 co-autores, que também estarão presentes ao lançamento para conversar com o público.

Na Bolsa – 1

Duas empresas ligadas a Mogi preparam-se para negociar seu capital na Bolsa de Valores de São Paulo. A Vamos Locação, controlada pelo Grupo Julio Simões (JSL) e voltada para locação de caminhões, máquinas e equipamentos agrícolas vai abrir o capital. O IPO contará com 52,9 milhões de ações ordinárias (51% primárias e 49% segundárias), com valor total de R$ 1 bilhão. O pedido de abertura de capital já foi apresentado à Comissão de Valores Mobiliários.

Na Bolsa – 2

Está previsto para o dia 2 de outubro o início das negociações das ações da Tivit, empresa do segmento de tecnologia da informação (TI), que em Mogi atua na área de call center. A oferta da multinacional brasileira consistirá numa distribuição pública secundária de 30,9 milhões de ações. Como essa oferta não envolve a emissão de ações, sendo exclusivamente uma distribuição secundária, os acionistas vendedores é que receberão os recursos provenientes da venda das ações e a empresa não receberá quaisquer valores.

Muita gente acha que política é uma coisa e cidadania é outra, como garfo e faca, e não é. Política e cidadania significam a mesma coisa.

Mário Sérgio Cortella, 65 anos, filósofo, escritor, educador, palestrante e professor universitário brasileiro