NOVO CORONAVÍRUS

Hospital de Campanha de Mogi deve ser aberto na próxima semana

LOCAL Hospital de Campanha instalado na avenida Cívica tem capacidade para 200 leitos de retaguarda. (Foto: arquivo)

O Hospital de Campanha de Mogi das Cruzes começará a atender pacientes infectados pelo novo coronavírus na próxima semana, provavelmente a partir de quarta-feira. Os números de infectados estão crescendo a cada dia e a cidade chegou a bater, nesta semana, mais de 70% de ocupação de leitos disponíveis para Covid-19. Recuou um pouco nos dois últimos dias, mas a tendência é de elevação dos casos de contaminação no Município. O pico da doença está previsto para daqui a duas semanas. Até ontem, eram 728 confirmações na cidade.

O secretário de Saúde de Mogi, Henrique Naufel, disse que atualmente os níveis de ocupação de leitos na rede pública municipal estão chegando à marca prevista para abertura do novo equipamento, que é de 70%. Os casos têm dobrado nas últimas semanas com aumento dos óbitos, que chegam a 56.

“Batemos 72% há quatro dias e agora estamos girando ao redor de 60%, por isso o Comitê Gestor do Coronavírus do município decidiu abrir o Hospital de Campanha. Acredito que dentro das próximas duas semanas vamos atingir o pico. Por enquanto, estamos conseguindo trabalhar essa situação, mas estou preocupado porque se trata de preservar vidas humanas, isso para mim é muito importante”, disse Naufel.

O Hospital de Campanha será uma espécie de extensão do Municipal, administrado pela organização social Fundação ABC, que também vai coordenar os trabalhos no local. O secretário esclarece que a equipe, formada por cerca de 300 pessoas capacitadas para o serviço, é composta também por profissionais de outras unidades de saúde da cidade e da Prefeitura.

Com capacidade para 200 leitos de retaguarda, o equipamento destinado ao atendimento de casos leves e moderados de Covid-19, começou a ser construído no dia 1º de abril, ao lado do Ginásio Municipal de Esportes, no Mogilar, pela empresa Fast Engenharia, com orçamento de R$ 2,8 milhões.

O local não terá as portas abertas. O atendimento será destinado a pacientes com casos leves e moderados de Covid-19, que tiveram alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e que devem prolongar a internação e permanecer em observação em leitos de enfermaria. Só receberá pacientes encaminhados por unidades referenciadas pela Secretaria Municipal de Saúde.

Os 200 leitos na estrutura da avenida Cívica vão ajudar a ampliar as vagas oferecidas pelo Hospital Municipal, que conta hoje com 16 leitos de UTI e 57 de enfermaria exclusivos para Covid-19. Há ainda mais dois de UTI que ficarão à disposição do Hospital de Campanha, caso haja alguma emergência entre os pacientes, que correm risco de ter agravamento rápido do quadro e recaídas.

Em breve, Mogi deve conseguir mais um reforço. Isso porque o Governo do Estado também se comprometeu em ajudar a cidade e região, dando suporte para a instalação de mais 20 leitos para o Municipal, e abertura de novas vagas em hospitais dos municípios vizinhos, como Suzano e Ferraz de Vasconcelos. O acordo foi feito durante reunião virtual realizada no início da semana com agentes da Secretaria de Estado da Saúde.

Naufel afirma ainda que nesse mesmo encontro ficou acertada a abertura, até o final de junho, de mais 30 leitos de UTI e 30 de enfermaria no Hospital Dr. Arnaldo Pezzuti Cavalcanti, de Jundiapeba. Além disso, foram prometidos mais 20 ventiladores para a cidade.

De acordo com o secretário, “tudo leva a crer que a cidade está bem equipada para enfrentar a pandemia”. Ele disse que existe muita cooperação entre todos os agentes envolvidos na causa, até porque o Comitê Gestor de Mogi é composto por diretores técnicos de equipamentos públicos e privados, “todos falando a mesma língua”.


Deixe seu comentário