NOVA ESCOLA

Insegurança é denunciada por alunos do Sesi Vila Natal

Escola do Sesi com 8 mil m² de área construída ocupa terreno de 23 mil m². (Foto: Eisner Soares)
Alunos do Sesi solicitam mais segurança na nova unidade da Vila Natal. (Foto: arquivo)

Estudante do Serviço Social da Indústria (Sesi) utiliza as redes sociais para solicitar mais atenção e providências ao poder público sobre problemas de falta de segurança nas proximidades da unidade, na Vila Natal. A nova escola foi construída na área próxima à Vila Oliveira e ao Jardim Nova União, um bairro nobre e outro de alta vulnerabilidade. O pedido é de mais policiamento e transporte para evitar que os alunos fiquem esperando pelos coletivos por muito tempo no ponto de ônibus das proximidades.

A publicação foi feita em um grupo coletivo no Facebook pelo aluno Vinícius Ceglio. De acordo com ele, os estudantes do Sesi, assim que começaram a frequentar as aulas na nova escola, há pouco mais de uma semana, se sentem “totalmente inseguros” e intimidados por pessoas suspeitas que rondam o local, especialmente nos horários da saída das aulas, por volta às 19 horas.

Ele relata um episódio que aconteceu no final da última semana, quando os alunos perceberam movimentação diferente nas proximidades e ficaram sabendo “que se tratava de ladrões querendo fazer um assalto onde é o ponto de ônibus”. Ele conta que alguns estudantes chegaram a ser ameaçados.

Na última sexta-feira, decidiram acionar a Polícia para reforçar o policiamento naquela área e teriam conseguido impedir que acontecesse o assalto. Segundo ele, na ocasião, os policiais teriam enquadrado quatro pessoas e verificado que uma delas estava armada. “Estamos com medo. Todo mundo fica no ponto, aglomerado, querendo sair dali e querendo ter segurança pra estudarmos”, enfatiza.

O estudante observa ainda que apesar de a Polícia ter estado no local na primeira semana de aula, não há garantia de que os estudantes poderão contar sempre com esse reforço na segurança. “Será que terá policiamento hoje ou na semana que vem? Será que vamos ficar seguros?”, questiona.

Para tentar garantir esse benefício, Vinícius disse que os estudantes estão fazendo um abaixo-assinado a fim de pedir a presença de um agente de segurança nos horários mais complicados de entrada e saída das aulas.

Segundo Ceglio, os alunos haviam sido informados que teriam três ônibus nessa linha no horário de saída da escola, porém apenas um deles está atendendo o local. Além de pedir um número maior de coletivos, também solicitam uma linha para o Terminal Estudantes, a fim de facilitar o acesso e agilizar o processo, impedindo que fiquem muito tempo no ponto.

Questionado sobre o pedido, o secretário municipal de Transportes, José Luiz Freire de Almeida, esclarece que monitora a linha que serve a região do Sesi no que se refere a horários, demanda de passageiros e necessidade de adequar a oferta, mas alega que “até o momento não foram encontrados problemas no atendimento”.

Almeida informa, no entanto, que este trabalho continuará sendo feito, inclusive com ampliação dos horários analisados. “É importante lembrar ainda que, com antecedência, foi realizada uma reunião entre representantes da SMT e da direção regional do Sesi em que foram informadas as linhas e os horários dos ônibus para que fosse possível a divulgação junto aos alunos”, explica o secretário.

A direção do Sesi também se manifestou, em nota, destacando que embora se trate de questão de segurança pública, a instituição mantém contato constante com a gestão municipal e com a Polícia Militar para que eventuais ameaças de assaltos em áreas próximas à escola possam ser coibidas rapidamente.

No que se refere à fiscalização, o secretário municipal de Segurança, Paulo Roberto Madureira Sales, ressalta que desde o final da semana passada, uma equipe da Guarda Municipal realiza patrulhamento no local, em conjunto com a PM. “O objetivo é ampliar a segurança de alunos, professores e funcionários da unidade”, reforça.