FENÔMENO

Ipês garantem novo visual a Mogi das Cruzes

PRIMAVERIL Ipês-amarelos enfeitam ruas, calçadas e jardins em vários pontos de Mogi. (Foto: Eisner Soares)

Depois da breve temporada da florada dos ipês-brancos, que chamou atenção em vários pontos da cidade pela exuberância das copas tomadas pela cor, os ipês-amarelos e rosa atraem os olhares. A espécie floresce entre os meses de agosto e setembro, num fenômeno que embeleza jardins, canteiros e praças públicas, e chama a atenção por uma particularidade: é em um período de estresse que a árvore fica ainda mais bonita.

Desde a semana passada, os ipês-amarelos são observados em pontos como as ruas João Da San Biagio, na Vila Oliveira, e Max Riedel, no Conjunto Álvaro Bovolenta. Típica de regiões tropicais e encontrada no cerrado, a árvore está bem adaptada à cidade e apresenta boa tolerância a condições como a poluição. Ela é mais um desses casos da natureza que flerta com a morte para se colorir por inteiro. O frio e a seca intensa acordam o relógio biológico da planta. Após esses episódios climáticos, as folhas caem totalmente para dar lugar às flores em todos os galhos. Outra peculiaridade: logo elas são visitadas por pássaros e abelhas, seus polinizadores, e começam a desprender após poucos dias. Alguns a chamam de a “árvore do mel”.

A partir dos três anos, eles começam a florir, dependendo das condições que garantem a vitalidade: boa drenagem, solo úmido e profundo, e de textura arenosa.

Para chegar a esse objetivo, em uma publicação sobre a espécie considerada como marca da flora brasileira, o pesquisador Paulo Ernani, da Empreba, sugere a poda no inverno para se evitar os nós no tronco, e a retirada de brotos, que tiram “a força” da planta.

Para o plantio é bom evitar a incidência direta do sol, e locais de geada, apesar da resistência que ele apresenta às baixas temperaturas.

Os ipês podem chegar a 30 metros. A madeira de ótima qualidade é usada pela indústria da construção civil e naval, em tacos de assoalho, dormentes, vigas, etc. Com razão, na língua tupi, ipê significa árvore cascuda.

No caso do ipê-branco, as flores caem em apenas dois dias – mas há uma compensação; alguns pés podem apresentar duas florações, entre o final do inverno e o começo da primavera.

A primavera, aliás, teve início ontem, apesar da baixa temperatura, que deve perdurar durante esta semana. O visual da cidade, no entanto, dá boas-vindas à nova estação.


Deixe seu comentário