CHINÊS

JAC aposta vender mais com o T40

O visual do chinês acaba sendo agradável, transmitindo agressividade principalmente na seção dianteira. (foto: Jorge Rodrigues/ AutoPress)

A JAC Motors aposta todas as suas fichas no crossover T40, que atualmente emplaca, em média, 200 exemplares mensais. A razão é a tradicional estratégia de entregar mais por menos, adotada pelas marcas chinesas. Mas com uma diferença crucial: investindo em um nicho que cresce cada vez mais aqui e com conteúdo até superior a alguns concorrentes. Principalmente na configuração de topo, com o Pack 3 da linha. O T40 Pack 3 agrega características que o favorecem no cenário brasileiro. Sua faixa de preço – custa R$ 60.990 – o posiciona como opção às variantes mais caras dos hatches compactos aventureiros, como Renault Sandero Stepway e Hyundai HB20X.

Além disso, seu espaço interno e porta-malas avantajado, além da altura superior à de um hatch convencional, fazem com que o modelo possa cativar ainda consumidores de configurações de entrada de SUVs compactos, como Peugeot 2008, Nissan Kicks e Honda WR-V.

O motor é o mesmo 1.5 litro que equipe o SUV compacto T5, que rende 127 cv de potência e 15,7 kgfm de torque quando abastecido com etanol e trabalha com uma transmissão manual de cinco velocidades. No ano que vem, a marca lançará a opção de câmbio CVT para o T40 Pack 3 e a expectativa é de que a novidade acrescente R$ 5 mil à conta. Um detalhe que acirrará ainda mais a briga do T40 com a concorrência e melhorará demais sua relação custo/benefício, já que muitos consumidores de SUVs compactos do Brasil sequer cogitam a possibilidade de ter pedal de embreagem na cabine.

De qualquer forma, o recheio do T40 Pack 3 atual já impressiona. Controle de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, monitoramento da pressão dos pneus, sensor de luminosidade e de obstáculos traseiros são de série no Pack 3. Direção elétrica, controle de velocidade de cruzeiro, trio elétrico, luzes diurnas de LED e rodas de liga leve de 16 polegadas também entram na lista. E a conectividade é garantida por uma central multimídia com tela de oito polegadas, sensível ao toque, que traz câmera de ré e uma câmera frontal, instalada junto ao retrovisor interno, capaz de manter um registro contínuo das últimas três horas.

O crossover arranca olhares por onde passa, principalmente no tom alaranjado da unidade testada, e não é difícil flagrar curiosos conferindo o carro parado em estacionamentos de shoppings ou vagas de rua. O desenho se destaca positivamente e o visual esportivo, favorecido pelos cálipers de freio pintados em vermelho e pela ausência de caixas de rodas pretas, joga a favor nisso.

O tamanho é compacto na hora de manobrar, mas o espaço interno é até condizente com veículos de categorias maiores. A área para joelhos e pernas dos ocupantes traseiros é tamanha que fica difícil acreditar que se tratam apenas de 2,49 metros de entre-eixos. A largura é boa e o porta-malas, com 450 litros de capacidade, favorece viagens em família com bagagens mais volumosas.

O acabamento interno também impressiona, com couro presente no painel e nos encostos das portas. Ao contrário do que se via antes, quase não há peças prateadas no interior – a exceção fica por conta dos puxadores das portas – e os cromados aparecem com certa discrição, sem exageros.

Em movimento, a esportividade não chega a dar as caras. Porém, os 127 cv e 15,7 kgfm máximos com etanol no tanque são suficientes para entregar um desempenho condizente com os concorrentes mais diretos. O zero a 100 km/h em menos de dez segundos é uma boa marca, mas é preciso pisar mais fundo no acelerador para que esse vigor apareça. Em curvas, o comportamento é equilibrado e só surge alguma sensação de insegurança quando se nota que a direção elétrica não chega a ser tão firme em velocidade elevada. Um fato que comprova que, no caso do T40, a esportividade é mesmo só de fachada. (Márcio Maio/AutoPress)

 

Ponto a ponto – JAC T40 Pack 3
Desempenho – Dos SUVs da JAC disponíveis no Brasil, o T40 é de longe o mais vigoroso. O propulsor 1.5 flex de 127 cv, quando abastecido com etanol, empurra os 1.155 quilos do crossover com competência, entregando arrancadas e ultrapassagens satisfatórias. O torque máximo de 15,7 kgfm só aparece aos 4.000 giros, mas não falta força para o trânsito urbano ou rodoviário. O carro chega aos 191 km/h máximos e cumpre o zero a 100 km/h em 9,8 segundos. Nota 8

Estabilidade – A suspensão absorve bem os desníveis das ruas brasileiras. Seu comportamento em curvas é equilibrado e as rolagens de carroceria são sutis. Além disso, o T40 Pack 3 traz de série controle eletrônico de estabilidade, que transmite uma segurança extra ao condutor. Mas há um porém: a direção é bastante leve e não chega a endurecer tanto quando a velocidade sobe. Nota 7

Interatividade – Apesar de bem completo, o T40 Pack 3 não chega a ostentar tantos comandos. Quase todos ficam posicionados em áreas de fácil acesso. Os dados de computador de bordo, no entanto, demandam o uso de dois pinos colados ao painel de informações, o que prejudica seu uso com o carro em movimento. Ali, na verdade, só é possível enxergar o consumo médio. Há central multimídia com tela sensível ao toque e câmara de ré, que facilita bastante as manobras de estacionamento. O volante opera o volume de som, o controle de velocidade de cruzeiro e traz ainda botão para atender chamadas telefônicas via Bluetooth. Nota 8

Consumo – O JAC T40 não está listado na tabela do Programa Brasileiro de Etiquetagem do InMetro. O T5, que pesa cerca de 5% a mais que o T40 e utiliza o mesmo motor, está. Nele, as médias são de 8,0/9,2 km/l com etanol na cidade/estrada e 11,2/13,2 km/l com gasolina, nas mesmas condições. O T40 é mais leve, mas o T5 tem câmbio manual de seis marchas, o que melhora o consumo na estrada. Durante a avaliação, em ciclo misto, o T40 marcou 9,2 km/l com etanol no tanque. Nota 7

Conforto – O espaço interno é bom, o que é surpreendente com um entre-eixos tão curto: são 2,49 metros. Quatro pessoas viajam sem grandes problemas, mas um quinto passageiro prejudica um pouco o conforto. Os bancos têm boa densidade e o espaço para joelho e pernas dos ocupantes de trás é bem farto. Nota 8

Tecnologia – O T40 Pack 3 tem uma boa lista de itens de série para a faixa de preço em que atua. Kit multimídia com tela de oito polegadas, câmara de ré, conexão HDMI e Bluetooth, controles eletrônicos de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas e controle de velocidade de cruzeiro o tornam bastante competitivo no segmento de SUVs compactos. Nota 8

Habitabilidade – Há bons porta-trecos para guardar celular, chave, carteira e outros objetos. O acesso aos bancos dianteiros e traseiros é tranquilo, graças ao bom ângulo de abertura das portas. O porta-malas leva 450 litros, uma excelente capacidade para esse segmento. Nota 8

Acabamento – Trata-se do melhor acabamento visto nos automóveis da JAC no Brasil. E se aproxima bastante de alguns de seus concorrentes, como o Renault Sandero Stepway. Há alguns detalhes cromados, o tom escuro predomina e o volante em couro traz pespontos em vermelho, o que insere certo charme. Destacam-se também as partes do revestimento interno em couro, como apoio de braços das portas e painel frontal. O material, no entanto, não aparece nos assentos. Os encaixes são bons e não há rebarbas. Nota 8

Design – O desenho do T40 Pack 3 traz alguns traços que parecem ser inspirados nas linhas da Hyundai, uma característica que, aliás, contamina todos os SUVs da marca chinesa no Brasil. O logotipo da fabricante mudou e, por sua vez, de longe, lembra bastante o da Kia Motors. Cromados laterais, que ficam mais grossos nas portas traseiras, na grade frontal e no para-choque traseiro inserem um ar mais requintado ao T40. Não há molduras pretas nas caixas de rodas, tão comuns entre os crossovers, e os freios recebem cálipers pintados de vermelho, que se destacam atrás das rodas. É uma combinação bem interessante. Nota 9

Custo/benefício – O JAC T40 Pack 3 custa R$ 60.990. Ele é mais barato que as versões de entrada dos SUVs compactos concorrentes e até que os hatches aventureiros mais completos. Por outro lado, o modelo chinês tem boa lista de equipamentos. Pesa sobre ele apenas o fato da JAC ter fechado algumas concessionárias nos últimos anos e, com isso, não é em qualquer lugar que se encontra uma oficina da marca. Nas regiões em que isso não é uma preocupação, o T40 Pack 3 é certamente uma opção a se considerar entre crossovers e SUVs compactos. Nota 8

Total – O JAC T40 Pack 3 somou 78 pontos em 100 possíveis.


Deixe seu comentário