SETOR DE HOMICÍDIOS

Jovem sumida estava em pagode

Equipe investigava o caso desde o dia 13. (Foto: divulgação)

Ao final de intensas investigações na semana passada que foram concluídas após buscas realizadas sábado e domingo último, o delegado titular Rubens José Angelo, do Setor de Homicídios de Mogi das Cruzes, e a sua equipe conseguiram localizar Natália Silva Lima, de 21 anos, desaparecida da casa da família dela, em Poá, desde o dia 13. Os policiais a encontraram o início da noite de domingo se divertindo num pagode num salão de baile, no Bairro do Jaçana, na zona norte de São Paulo. “Eu estava cansada das brigas em casa com os meus parentes e resolvi sair”, alegou a jovem ao lado da mãe Flávia Ignácio Silva.

Natália não apresentava nenhum problema nem físico ou psicológico. Segundo o delegado Rubens, “ela foi para a capital e passou a morar com o namorado chamado Mauro”. A autoridade elaborou o Boletim de Ocorrência sobre encontro de pessoa desaparecida, sendo que Natália é maior de 18 anos, e portanto, tem o direito de residir onde achar melhor para a sua qualidade de vida.

Buscas

O delegado Rubens Angelo disse a O Diário que todos os investigadores do Setor de Homicídios participaram das diligências visando localizar Natália, mas ele destacou o empenho dos policiais Luciana, Francisco e Isael por atuarem diretamente no Setor de Desaparecidos daquela unidade.

O caso de Natália em razão da aflição da família que procurou os meios de comunicação teve ampla repercussão nacional também nas redes sociais. “Descobrimos que Natália entrou num veículo GM Prisma de cor branca. Conseguimos as imagens dela embarcando e a placa do carro. Deste modo, encontramos o proprietário do carro. Ele trabalha como motorista de Uber e lembrou que fez uma corrida para Natália de Poá ao Bairro do Carandiru, em São Paulo. Al[ém disso, pedi quebra do sigilo do celular de Natália e a Justiça de Poá concedeu, o que ajudou e muito a encontrar o seu paradeiro. Uma equipe a localizou neste domingo em um pagode. Mais um caso esclarecido”, explicou o titular Rubens Angelo.

O titular da Homicídios ainda esclareceu que “a Natália no dia 13 saiu de casa, dizendo à mãe dela (Flávia) que iria apenas num dentista em Itaquá verificar aparelho ortondôndico, mas desapareceu”. Para Rubens Angelo, “é preciso que os jovens conversem sempre com os seus pais ou familiares para resolverem juntos determinadas situações familiares”.