OLÍMPIADAS

Judoca mogiano William Lima apoia adiamento dos jogos de Tóquio

NA LISTA William Lima ocupa a 29° posição no ranking do COI para 2021. (Foto: divulgação - Gabriela Sabau - RJ)
NA LISTA William Lima ocupa a 29° posição no ranking do COI para 2021. (Foto: divulgação – Gabriela Sabau – RJ)

Foi no setor de embarque do Aeroporto Internacional Mário Covas – em Cumbica (Guarulhos) – que o mogiano Willian Lima recebeu a informação de que a delegação brasileira não viajaria para a Rússia, onde disputaria o Grand Slam de Ekaterinburg, entre os dias 13 e 15 deste mês. O evento foi cancelado por conta da pandemia do novo coronavírus, o Covid-19. Naquele momento, o mais premiado judoca mogiano e grande candidato a disputar os Jogos de Tóquio lamentou a decisão. Afinal, seria mais uma oportunidade de buscar pontos e se manter no ranking para lutar os Jogos Olímpicos, no Japão.

Alguns dias depois, já ciente da gravidade da situação em todo o planeta, Lima afirma que todas as decisões dos dirigentes foram corretas para adiar, ou suspender as competições em todo o planeta. “Primeiro gerou um grande choque. Fomos comunicados de adiamentos no aeroporto, estávamos embarcando para a Rússia, onde disputaria um Grand Slam”, recorda Willian.

Mas o adiamento não ficou somente para o evento russo. O mogiano já estava convocado pela Confederação Brasileira de Judô (CBJ) para lutar o Campeonato Pan-Americano de Lima (Peru), que teria início no último dia 21; e os grand prix de Tbilisi (Geórgia) – dia 27 de março – e Antalya – que começaria nesta sexta-feira.

E nos últimos dias veio a confirmação, tão esperada, dos adiamento dos jogos de Tóquio para 2022 (veja matéria nesta página). “Afirmo que o adiamento dos Jogos foi a decisão mais correta, decisão certa. A FIJ (Federação Internacional de Judô) está fazendo o máximo para não prejudicar os atletas e manteve a pontuação e o ranking. Muitos judocas não chegariam, não teriam como obter a classificação sem as competições que antecedem os Jogos”, afirmou Willian, que atua pelo Pinheiros.

Enquanto as atividades e competições não recomeçam, Wilian mantém sua série de treinos em casa, sob orientação dos profissionais do Pinheiros. “Agora é aguardar e voltar com tudo para o Brasil ter a melhor equipe”, analisou Willian.

Na sua última competição, o judoca de 20 anos e no primeiro ano da categoria sub-21, conquistou no início deste mês o Aberto Pan-Americano de Bariloche, na Argentina, em mais uma disputa do Circuito Mundial da FIJ.

Com o resultado na prova internacional, ele se manteve na lista dos 32 participantes para os Jogos de Tóquio, em 2021.

Revelado na Associação Name de Judô (ANJ), Willian garantiu a medalha de ouro na categoria 66 kg e faturou 100 pontos no ranking mundial. Na decisão, o mogiano venceu o chileno Sebastian Perez.

Com o resultado, William ocupa a 29ª colocação no ranking do Comitê Olímpico Internacional (COI), com 1.575 pontos. Atual número 2 do Brasil, ele está atrás de Daniel Cargnin, 10º colocado, com 3.682 pontos. Já no ranking mundial sênior, William é o número 33 do mundo.


Deixe seu comentário