INFORMAÇÃO

Justiça do Trabalho condena empresas por morte em serviço

NÃO! Morador protesta contra a implantação de um pedágio na Mogi-Dutra, durante manifestação realizada sábado, na rodovia. (Foto: Fábio Palodette)

Decisão foi tomada pelo juiz da 4ª Vara do Trabalho de Mogi

Na ocorrência de alguma falha na segurança do ambiente de trabalho, tanto o empregador quanto o tomador de serviços respondem solidariamente por acidente causado a trabalhador, independentemente de serem ou não empregadores. O entendimento é do juiz da 4ª Vara do Trabalho de Mogi das Cruzes, Diego Taglietti Sales, que condenou duas empresas de carga e descarga e de logística a indenizarem em R$ 560 mil os pais de um trabalhador, Kesley de Oliveira Matos, que morreu durante o serviço. A empresas são a Ellece Logística Ltda, do Grupo Pandurata Alimentos (detentor das marcas Bauducco e Visconti), localizada próximo à divisa de Guarulhos e Itaquá, e a RLA Serviços Gerais de Carga e Descarga Ltda, de Jacareí. No momento em que realizava as atividades de carga e descarga, uma porta da empresa que recebia o material fechou em cima do trabalhador. De acordo com a perícia realizada no local, houve falha no dever de segurança, pois apenas depois da morte do empregado foram instaladas travas que impedem o fechamento da porta em caso de falha no sistema que a mantém aberta. Mais do que isso, testemunhas afirmaram que não havia treinamento para o levantamento e fechamento da porta. Disse o juiz: “Como se pode observar de toda prova produzida, resta indene de dúvida a culpa das reclamadas no acidente de trabalho”. O magistrado Taglietti Sales foi didático em sua sentença, ao afirmar que “sabe-se que o empregador e o tomador de serviços devem tomar todas as cautelas no sentido de manter ambiente de trabalho apto e seguro para o exercício das atividades laborais, uma vez que tornam-se responsáveis pela sua saúde, vida e segurança do empregado, no desempenho do labor”, concluiu. A ação foi movida pelos pais da vítima. Às empresas, cabe recurso da decisão tomada em primeira instância, muito bem consubstanciada pelo juiz.

Alertas

Os usuários de tevês por assinatura de todo o Estado de São Paulo começaram a receber, desde ontem, em seus televisores, os alertas da Defesa Civil sobre riscos de desastres naturais. Para que os alertas cheguem aos aparelhos de tevê há um trabalho articulado entre a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, do Ministério do Desenvolvimento Regional, da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), operadoras de tevê e órgãos estaduais e municipais de Defesa Civil. Desde 2017, os alertas já vinham sendo enviados a números de celulares cadastrados no sistema da Defesa Civil, por SMS.

Pela Polícia

A campanha “Ore pela sua Polícia e pelo Brasil” chegará oficialmente a Mogi no dia 10 de novembro, com um culto, às 19 horas, na Comunidade Cristã Amor, na rua Gastão Costa ,675, no Mogi Moderno. A proposta que prevê “52 dias de oração pela Segurança Pública e pela transformação do País” terá como preletor, na cidade, o coronel Camargo, ex-comandante do Corpo de Bombeiros de Mogi e participação do pastor evangélico e vereador Péricles Bauab (PL).

Mau exemplo

Repercutiu nas redes sociais a notícia sobre uma grande quantidade de lixo, formada por garrafas pets vazias e invólucros de cerveja, abandonada nas proximidades do campus da UMC por um grupo de estudantes de Medicina que participava de comemoração, no último final de semana, em Mogi. “Galera da Medicina, essa é a porta da Universidade de vocês: tenham um pouco mais de respeito!”- disse um dos comentários menos drásticos sobre a ação dos alunos.

Nova edição

O sucesso do lançamento do livro “O Casarão da Coronel e Suas Histórias” foi tanto que a primeira edição do livro escrito por Paulo Costa Júnior, o Paulito, com participação da jornalista Vanice Assaz, esgotou-se. Quem não conseguiu a obra, basta aguardar um pouco mais. A segunda edição já está pronta para ser impressa e, em breve, serão anunciados os pontos de venda.

Frase

A inveja é um tipo de cegueira, ela é a dor pelo sucesso alheio.

Leandro Karnal, 56 anos, historiador brasileiro, professor da Universidade Estadual de Campinas, especializado em História da América

Deixe seu comentário