ARTIGO

Ainda é cedo para pensar no futuro

Claudio Costa

Aprendi com a vida que o mais importante e viver o presente um dia de cada de vez e o futuro a deus pertence. Este é meu pensamento atual sobre tudo o que está acontecendo e o consequente impacto económico. Vejo empresas e pessoas oferecendo uma gama de produtos e serviços como sendo o futuro do planeta tentando planejar um futuro que não sabemos ao certo como será. Obviamente existem situações que demandaram novos hábitos e costumes, mas ainda é cedo para prever o futuro.

Estamos vivendo um momento de muita incerteza do ponto de vista pessoal e profissional pois se por um lado corremos um alto risco de contrair a Covid19 ao mesmo tempo temos um sério risco de perdemos os empregos e como consequência nossa renda que é determinante na nossa qualidade de vida. Estas incertezas irão continuar até o momento que teremos uma vacina para a prevenção ou um remedio eficaz para a doença pois só assim poderemos voltar a ter uma “nova vida normal “.

No caso brasileiro precisamos a todo o custo controlar a evolução da pandemia e quando isto ocorrer iniciarmos um período de flexibilização do isolamento social de forma a retornar com a atividade económica, porem com regras mais rígidas de distanciamento e hábitos de higiene. Até lá o governo federal precisa injetar dinheiro para que as empresas continuem a honrar salários sem demitir. As incertezas com relação ao desemprego, historicamente geram uma retração natural do consumo, portanto, não adianta flexibilizar com demissões ou reduções bruscas de salários.

Os equilíbrios destas ações serão determinantes para o sucesso que todos terão no futuro.

Boa sorte a todos com Deus sempre no comando.

Claudio Costa é diretor de Desenvolvimento Econômico e Social da Prefeitura de Mogi das Cruzes.


Deixe seu comentário