Livros irão registrar principais pontos da atual administração

Numa iniciativa pessoal do prefeito Marco Bertaiolli (PSD), em parceria com a editora Roseli Shiniashiki, da Editora Gente, da Capital, os números, histórias e outros dados de alguns setores de suas duas administrações serão perenizados em três livros voltados para aspectos específicos da gestão pública em Mogi das Cruzes. Os livros serão utilizados pelo PSD como planos partidários de governo. A primeira das três obras – Cidade Saudável – já está concluída e mostra os avanços alcançados na Cidade na área da Saúde, com a chegada de novos equipamentos, a informatização de todos os setores e equipamentos da pasta e a implantação do Cartão SIS, algo inédito, que tem despertado a atenção de muitas prefeituras do Interior paulista e até de outros estados. O livro será lançado dentro de 15 dias. A segunda obra será dedicada à Educação e mostrará como a Cidade avançou no setor, conseguindo, durante dois mandatos, duplicar o número de creches, que passarão de 34 para 68 até o final deste ano, além de outros cuidados, como a ampliação da educação em tempo integral, e melhoria na qualidade da merenda oferecida aos alunos. O trabalho, já em fase de conclusão, deverá ser lançado em setembro, possivelmente durante as solenidades de aniversário da Cidade. Até o final deste ano, quando será encerrado o atual mandato, sairá o terceiro livro, com informações sobre gestão pública empreendedora, mostrando um grande balanço de outras realizações do governo do PSD em Mogi. Nele será apontado, por exemplo, que o investimento de R$ 150 milhões em saneamento básico irá permitir que a Cidade chegue ao final deste ano com 98% de seu esgoto coletado e 74% de esgoto tratado. Todas essas obras estão sendo custeadas com recursos do próprio Bertaiolli e de seu partido, o PSD.Mais livros
A Prefeitura também deverá lançar dois novos livros. Um sobre a Mogi de 2040, que está sendo produzido com a participação dos secretários municipais, mostrando os caminhos a serem seguidos pela Cidade até o ano 2040. Uma espécie de Plano Diretor que poderá servir como balizador do planejamento municipal para as próximas décadas. Outro livro irá contar a história de 50 anos do Serviço Municipal de Águas e Esgotos (Semae), desde sua fundação até os dias atuais.

De volta
O mogiano Romildo Pinho Campello (PV) está de volta ao cargo de secretário-adjunto da Secretaria de Estado do Turismo. E não mais ao lado de Roberto Lucena (PV), que reassumiu as funções de deputado federal em Brasília, mas do ex-prefeito de Atibaia, Roberto Trícoli (PV). Campello fica no cargo, apagando incêndios, até o dia 2 de junho, quando deverá se desincompatibilizar para concorrer à Prefeitura de Mogi. Como candidato a prefeito, ou a vice de Ronaldo Alabarce (PDT).

Homenagem
A Clínica de Recuperação e Fisioterapia, em construção nos fundos do Hospital Municipal Waldemar Costa Filho, no Distrito de Braz Cubas, receberá o nome de Dr. Aristides Cunha Filho. Uma homenagem ao conhecido médico ginecologista que participou da fundação do Hospital e Maternidade Santana e atuou politicamente na Cidade, que o ajudou a se eleger deputado federal.

Na política
O ex-deputado federal Valdemar Costa Neto (PR) teria confidenciado a amigos que não pretende mais concorrer a qualquer cargo por meio de eleições. Mas não deixará a política. Vai continuar como dirigente partidário, atuando nos bastidores e “levando vida de deputado”. Ou seja, de terça a sexta em Brasília ou em outros pontos do País, cuidando dos interesses do PR, e nos finais de semana em Mogi, ao lado da mãe, dona Leila Caran Costa.

COTIDIANO

Integrantes do grupo do Divino Espírito Santo descansam junto ao coreto do Largo do Rosário, na coroação de rei e rainha do Congo, sábado / Foto: Jonny Ueda
Integrantes do grupo do Divino Espírito Santo descansam junto ao coreto do Largo do Rosário, na coroação de rei e rainha do Congo, sábado / Foto: Jonny Ueda

FRASE

Gente, eu não tenho garganta. Eu vou pedir então um pouquinho de silêncio. A minha voz está fraca. Eu tenho um limite para falar mais alto. Depois, nós tornamos a gritar.

Dilma Rousseff (PT), presidente depois de informar a manifestantes reunidos no Palácio do Planalto sobre a anulação do impeachment pelo presidente da Câmara, que ontem voltou atrás