ENTRADA DOS PALMITOS

Manhã de fé, devoção e folclore

CENÁRIO RADIANTE Devotos com suas bandeiras vermelhas saudaram o Divino Espírito Santo pelas ruas da cidade. (Foto: Eisner Soares)
CENÁRIO RADIANTE Devotos com suas bandeiras vermelhas saudaram o Divino Espírito Santo pelas ruas da cidade. (Foto: Eisner Soares)

“Vem, Espírito Santo. Transforma minha vida, quero renascer!”. Esse era um dos cânticos entoados pelos fiéis que participaram da Entrada dos Palmitos, iniciada por volta das 9 horas do último sábado, 08, em Mogi das Cruzes. O tradicional desfile contou com grupos de congada, moçambique e marujada, além de outras instituições e da presença de muitos animais. Somente os cavalos foram 380 inscritos, mas nas ruas esse número era ainda maior. A Secretaria Municipal de Segurança estimou o público em 10 mil pessoas assistindo ao evento.

Vinda da Bahia há mais de 55 anos, Elvira Ferreira, 69, está envolvida na parte religiosa da Festa do Divino Espírito Santo há anos. “Eu fazia as bandeiras, participava das novenas e fazia questão de falar sobre o Divino para as pessoas. Foi graças a ele que passei por muitas coisas na minha vida, como me curar de um câncer. Se hoje estou bem, não é sorte, é por causa da minha fé”, disse ela.

Assistindo ao desfile, Elvira revelou achar tudo muito lindo, mas não esconde o medo dos animais. O mesmo acontece com a amiga dela, Valdete Monteiro dos Santos, 78, que mesmo com certo receio não deixa de ficar bem próxima à rua, assistindo tudo o que passa. Há três anos ela trabalha na Casa da Festa fazendo o tortinho. “A festa toda é muito linda”, comentava enquanto os cavalos passam a sua frente.

Já para Maria Aparecida Braga, 62, assistir à Entrada dos Palmitos é uma questão familiar. A tradição começou com o pai da mogiana e hoje ela assiste o irmão tocar caixa em um grupo de moçambique. Ela esperava também por um tio que desfila com os carros de boi.

O cortejo da Entrada dos Palmitos atraiu 10 mil pessoas. (Foto: Eisner Soares)

Ao final da Entrada dos Palmitos, que aconteceu entre as praças Coronel Almeida e Monsenhor Roque Pinto de Barros, os participantes foram abençoados com água benta. Por ali, os festeiros Sueli Moraes Braz e Marcelo Braz apreciavam os últimos momentos do evento. Ela já estava com os olhos marejados.

“É muita emoção, porque são muitas coisas boas que esse povo passa. É uma devoção muito grande e em cada lugar que a gente passava com as bandeiras era uma demonstração de fé. Muitas lágrimas de emoção, por ver o que o Divino Espírito Santo faz de bom com a gente”, comentou a festeira. “A gente comprovou a demonstração de fé dos mogianos e que a Entrada dos Palmitos está na cultura da cidade. A gente tem muito carinho por tudo o que fez e contamos uma equipe muito competente para que tudo isso saia da melhor forma possível”, completou Marcelo.

O festeiro fez um balanço prévio do evento deste ano, agradecendo por ter conseguido realizar tudo o que eles pensaram e sonharam. Ele falou ainda sobre a quantidade de chuvas que a edição deste ano presenciou, o que eles não esperavam. Ainda assim, Sueli comenta que o público não deixou de comparecer às festividades, o que ela acredita que reforce ainda mais a fé dos participantes.

Também presente no evento, o prefeito Marcus Melo (PSDB) ressaltou que a Entrada dos Palmitos é o auge da festa, já que conta com a participação de muitas famílias. Além disso, afirmou que a Prefeitura tem o papel fundamental de apoiar todas as etapas da Festa do Divino e, por isso, garantiu o auxílio para o próximo ano.