INVESTIGAÇÃO

Massacre de Suzano: três capturados

Cristiano de Souza, Thatiano Oliveira e Adeilton Pereira agiam pelas redes sociais
Cristiano de Souza, Thatiano Oliveira e Adeilton Pereira agiam pelas redes sociais

A Polícia Civil e o Ministério Público divulgaram, na tarde de ontem, em uma coletiva à imprensa, na sede da Delegacia Seccional de Polícia de Mogi da Cruzes, a prisão temporária de três homens envolvidos no massacre de Suzano, na Escola Raul Brasil, ocorrido na manhã de 13 de março, o qual deixou saldo de 10 mortos (incluindo os dois autores) e 11 estudantes feridos.

A pedido das autoridades, a Justiça de Suzano decretou a prisão temporária de Cristiano Cardias de Souza, de 47 anos, Tathiano Oliveira de Queiróz, de 39 anos, e de Adeilton Pereira dos Santos, de 37 anos.

O trio é investigado por comercializar armas e munições via redes sociais, porém como até ontem, ainda não tinha sido ouvido na Delegacia Central de Suzano, o seccional Jair Barbosa Ortiz, Alexandre Dias, titular da Delegacia Central de Suzano, e o promotor de Justiça, Rafael Ribeiro, afirmaram que ainda não é possível individualizar a participação de cada um deles, mas ressaltaram que “de certo modo estão ligados”.

Cristiano foi preso na tarde desta quarta-feira, na casa dele, na Estrada do Yamane, na zona rural de Suzano. No local, a equipe apreendeu dois celulares e um computador. Os materiais serão examinados na Polícia Científica que vai buscar informações sobre o contato que manteve com os autores do massacre, Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, e Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, ex-alunos da Escola Raul Brasil.

Os outros dois acusados são Adeilton Pereira. Este foi detido na manhã de ontem, em sua casa, na Rua das Flores, em Itaim Paulista, na zona leste da Capital. Ele guardava em sua residência um revólver, de calibre 32, munições de calibres variados e celulares.

Escoltado à Delegacia Central, o delegado Lourival Zacarias Noronho, o autuou em flagrante por posse ou porte ilegal de arma e munições.

O terceiro envolvido, Tathiano Oliveira foi surpreendido dormindo na casa dele, na Favela de Heliópolis, na zona sul de São Paulo. Com ele, havia celulares e um deles roubado, sendo que foi autuado em flagrante por receptação.

“Queremos deixar patente com essa entrevista é que tanto a Polícia Civil como o Ministério Público e a Justiça de maneira geral estão trabalhando para que esse caso de Suzano tenha um esclarecimento cabal. Vamos fazer tudo para que todas as pessoas que direta ou indiretamente participaram do massacre sejam responsabilizadas”, disse o delegado seccional.

Ele ainda mandou um recado para os marginais que usam a internet para praticarem crimes. “Todo aquele que usa um computador ou celular, seja lá onde for, não está livre da Justiça. A Polícia Civil de São Paulo e o Ministério Público estão fazendo de tudo para localizar agora os autores de apologia em cima do crime cometido em Suzano”.

O promotor Rafael Ribeiro disse que “as investigações começaram com os autores que já faleceram. Tiveram uma ação direta, e agora, estamos atrás dos participantes. Apreendemos um menor (de 17 anos) que já está na Fundação Casa por incentivar Guilherme na prática do massacre. Ele atuou como mentor do crime junto com os autores”.

A novidade revelada pelo promotor Rafael foi relacionada ao encontro de um menor, cuja participação é objeto de investigação. Este adolescente não está apreendido. “Depois identificamos três maiores que já estão presos e foram localizados materiais que estão sendo periciados”. O delegado titular Alexandre Pires frisou que “as investigações não vão parar por aí. Quem tiver notícias sobre alguém que está praticando crimes em rede social deve denunciar ao Ministério Público e à Polícia Civil”.