Meirelles descarta alta de impostos

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira (3) que os sinais de recuperação da economia reduzem a necessidade de aumento de tributos para cobrir o deficit público.
“Acreditamos que não seja necessário o aumento de tributos”, afirmou Meirelles, em palestra no Rio, após enumerar indicadores que mostraram melhora nas últimas semanas, como a confiança do empresariado e do consumidor e o crescimento da produção industrial.

Divulgado pelo IBGE na terça-feira, o indicador de produção industrial cresceu 1,1% em junho, o quarto mês seguido de alta na comparação com o mês anterior, frisou o ministro. Ele argumentou ainda que a trajetória da arrecadação tem acompanhado, nos últimos anos, o nível de confiança do empresariado, que começou a melhorar.

“Não abrimos mão do cumprimento da meta, mas tudo indica que será via arrecadação, com a recuperação da atividade econômica, e via receita com concessões”, concluiu.

Meirelles reforçou, porém, a necessidade de reforma na previdência, para evitar aumento de 10% na carga tributária em relação ao PIB nos próximos 10 anos. “Mais importante do que definir a partir de que idade (a pessoa) vai receber a aposentadoria, é garantir que ela vai receber”, defendeu.

Em sua palestra, o ministro voltou a argumentar que o debate em torno dos limites de reajustes para servidores não têm impacto no processo de renegociação da dívida dos estados.

Segundo ele, a principal contrapartida, que é a limitação do crescimento dos gastos à inflação do ano anterior, será mantida. Essa parte, diz o ministro, é “inegociável”. O limite dos reajustes, frisou, era uma “questão secundária”, incluída no debate pelos próprios governadores e não pelo governo federal.


Deixe seu comentário