BALANÇO

Metade dos leitos de Terapia Intensiva do Hospital Municipal de Mogi está ocupada

ESTRUTURA Centro de Referência para tratamento do novo coronavírus foi montado no Hospital Municipal de Braz Cubas. (Foto: arquivo)
ESTRUTURA Centro de Referência para tratamento do novo coronavírus foi montado no Hospital Municipal de Braz Cubas. (Foto: arquivo)

Até ontem, a taxa de ocupação do Hospital Municipal de Mogi das Cruzes, referência no tratamento da Covid-19 na cidade, era de cerca de 40% na enfermaria e 50% na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Sendo assim, o Hospital de Campanha, instalado no Mogilar, deverá permanecer fechado. A unidade provisória começará a funcionar quando a enfermaria do Hospital Municipal estiver 70% preenchida, o que pode acontecer nos próximos dias com o aumento do número de casos da doença.

Somente do dia 7 de maio até o início da tarde de ontem, os registros de pacientes vítimas do novo coronavírus aumentou 14% em Mogi, indo de 343 para 402. Os óbitos subiram 30% e foram de 23 até última quinta-feira para 30 até o domingo. O crescimento desses números pode ser ainda pior caso a quarentena não seja respeitado pela população. A taxa estipulada para o início do funcionamento da unidade de retaguarda se dá pelos aos altos custos de operacionalização.

Em Mogi, o isolamento social vem sofrendo constantes variações segundo o Sistema de Monitoramento Inteligente (SIMI-SP) do Governo de São Paulo. Ontem, ele era de 56%, mas já foi mais alto. Em outro domingo, no dia 19 de abril, por exemplo, esse índice estava em 63%. Durante a última semana, o número ficou ainda mais baixo, chegando a apenas 49% na sexta-feira. Todos os dados podem ser conferidos no www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus/isolamento/

O Hospital de Campanha está instalado na avenida Cívica e terá capacidade para 200 leitos que serão disponibilizados de forma gradual, conforme a demanda da cidade, A unidade servirá de retaguarda para os hospitais da cidade com leitos de enfermaria, ou seja, para pacientes leves e moderados. Para casos mais graves e pacientes que precisam de terapia intensiva, a referência é o Centro de Referência do Coronavírus implantado no Hospital Municipal.

Com um investimento de R$ 2,8 milhões, a estrutura da unidade provisória começou a ser levantada no dia 1º de abril pela Fast Engenharia.


Deixe seu comentário