CARTAS

Meu pai

D. Pedro Luiz Stringhini

Anselmo Stringhini nasceu em Laranjal Paulista, aos 09 de março de 1932, tendo vivido a vida toda nesse município, trabalhando como agricultor. Faleceu aos 87 anos, no dia 05 de outubro de 2019. Neto de imigrantes italianos, foi casado com Aurora Terezinha Marcon Stringhini, por sua vez, filha de imigrantes italianos, com quem viveu 67 anos. São pais de 13 filhos. A presença incontável de pessoas no velório e funeral foi uma demonstração de quanto Anselmo era querido por todos. Pautou sua vida por três grandes princípios: família, trabalho e religião. Como esposo e pai foi sempre firme e decidido, dedicado e amoroso. Amava o trabalho no campo e a natureza. Observava e interpretava com precisão o movimento das estações. Como católico e fervoroso, devoto de Nossa Senhora, transmitiu aos filhos os valores e ensinamentos do evangelho e da Igreja. Nos últimos 20 anos, mesmo vivendo na cidade, ia todos os dias ao sítio (Bairro Boa Vista), onde realizou o plantio e cuidado de árvores, formando um bosque com cerca de 5 mil árvores. À tarde, voltando para casa, na cidade, era comum trazer frutas e legumes e distribuir na vizinhança. Sem conhecer formalmente a doutrina social da Igreja, viveu o princípio de que o ser humano está acima do trabalho e que o trabalho (fonte de realização pessoal) tem primazia sobre o capital. Assim, morreu pobre e feliz. Cantava no coral da Igreja, dançava muito bem e, com a esposa, participou de grupos de Terceira Idade. Gostava de estar com as pessoas, conviver, ajudar. A família era tudo para ele. Ele é meu pai.

D. Pedro Luiz Stringhini (7.10.2019)

Bispo diocesano de Mogi das Cruzes

Deixe seu comentário