BEBÊ SEGUE INTERNADO

Ministério Público denuncia pai suspeito de espancar filho em Mogi

Pai da criança é o principal suspeito de espancar o bebê. (Foto: Laércio Ribeiro)
Pai da criança é o principal suspeito de espancar o bebê. (Foto: Laércio Ribeiro)

O promotor de Justiça Igor Volpato Betone, do Ministério Público de Mogi das Cruzes, denunciou no último dia 15 o pintor de automóveis Rafael Cavalcanti Furlan, de 27 anos, por tentativa de homicídio que praticou contra o filho, Rafael, de 4 meses e 15 dias, e duas vezes por lesão corporal, cuja vítima é a mulher dele, Rayane da Silva Monteiro, de 19 anos.

O procedimento até ontem ainda não havia sido recebido pela Justiça, conforme disse a O Diário o advogado de defesa do acusado, Ivan Lemes de Almeida. O crime foi cometido no último dia 6, na casa da família, na Rua Aristides Germano Montagnini, no Conjunto Residencial Álvaro Bovolenta.

Na última quinta-feira, o delegado titular Alexandre Batalha acionou a Polícia Científica e reconstituiu a tentativa de assassinato. Na ocasião, Rafael confirmou a acusação contra a sua companheira Rayane da Silva. Ele diz que ela foi a autora dos socos e tapas que causaram traumatismo craniano no filho do casal. A mãe do pintor segue com essa versão.

Apesar disso, Rayane no dia da reconstituição explicou aos policiais que Rafael suspeitava que o filho não era dele. Contou que tentou socorrer o bebê, mas foi agredida a paulada por ele. Indo mais longe na sua denúncia, Rayane afirmou ao delegado Alexandre Batalha que “fiz um Boletim de Ocorrência de ameaça no final do ano passado na Delegacia de Defesa da Mulher. Na época, estava grávida e o meu marido fazia ameaças dizendo que quandro a criança nascesse ele ia matá-la”.

O documento policial foi anexado no ínquérito pelo delegado Alexandre, fundamentando a acusação em desfavor de Rafael. O advogado Ivan Lemes ressaltou que não pode comentar o caso por estar em segredo de justiça, mas frisou que “não se tem qualquer informação a respeito da vítima (o bebê), sabendo apenas que se encontra internada no hospital, onde aguarda o laudo definitivo para ser verificado se a criança foi agredida ou sofreu uma queda, pairando ainda dúvidas sobre os agressores (genitores)”.

Ele diz ainda que desconhece que Rafael sofreu ‘morte cerebral’, conforme foi divulgado pelo jornal que recebeu informação da Polícia. O pintor Rafael está com a preventiva decretada e continua no Centro de Detenção Provisória, no Bairro do Taboão.


Deixe seu comentário