INFORMAÇÃO

Mogi-Bertioga, um atraso muito perigoso

Rodovia continua à espera dos estudos ainda não executados

O tempo vai passando, as águas de março aí estão para fechar o verão e só o governo do Estado ainda não cumpriu a promessa de realizar um levantamento geológico adequado para identificar as causas dos constantes deslizamentos de encostas na ligação rodoviária Mogi das Cruzes-Bertioga. O prometido estudo aguarda uma definição desde o ano passado, quando a estrada permaneceu interditada por 21 dias entre os meses de abril e maio, acarretando sérios prejuízos a muita gente e provocando inúmeras reclamações daqueles que se utilizam do caminho para o litoral diariamente, ou com alguma frequência. O atraso nas decisões dos responsáveis pelo setor viário do estado, os quais se comprometeram a executar o necessário estudo, fez com que o período de governo Geraldo Alckmin (PSDB)-Márcio França (PSB) se expirasse e as obrigações fossem transferidas para o governador João Doria Júnior (PSDB) e sua nova equipe. Até que os novos dirigentes do DER tomassem pé do que estava planejado para a rodovia e passassem a cuidar do assunto com alguma voluntariedade, um bom tempo se passou e novos pequenos deslizamentos ocorreram. Enquanto isso, alguns ajustes nos efeitos desses problemas foram sendo executados, como que para justificar a ação do Estado na perigosa área da Serra do Mar. As causas dos desastres, entretanto, continuam intocadas, à espera de avaliações por técnicos do Instituto Geológico e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), fundamentais para se chegar a um diagnóstico detalhado das causas dos deslizamentos, a serem atacadas para impedir a repetição em futuras temporadas. Está na hora, portanto, de os representantes da cidade intensificarem as cobranças junto ao Estado, de modo a não se postergar ainda mais tais serviços. A Mogi-Bertioga não pode continuar proporcionando riscos permanentes para quem dela se utiliza. Por mais de uma vez, este jornal vem alertando que somente por obra da sorte, as quedas de barreiras com pedras enormes, árvores e muito não barro não atingiram ou soterraram algum veículo. Esperar que a sorte continue a nortear o futuro dos usuários da estrada, entretanto, é uma prova concreta da incúria e inoperância de um governo omisso. Com a palavra, a administração estadual.

Jardinagem
Preocupado com a atual imagem dos cemitérios São Salvador e da Saudade, sob cuidados da Prefeitura de Mogi, o vereador Taubaté Guimarães (MDB) encaminhou sugestão ao prefeito Marcus Melo (PSDB) para que seja plantada “unha de gato” nos muros em volta aqueles locais. Pede ainda que sejam plantadas árvores do tipo “resedá” nas ruas das proximidades.

Presidente
O vereador Otto Rezende (PR) já preparou o terno novo e está cuidando do visual para assumir a presidência da Câmara de Mogi durante as sessões de hoje e amanhã, em razão da ausência do titular. O vice assumirá o comando do Legislativo em razão da viagem que o presidente Sadao Sakai (PR) fará a Brasília, em companhia do prefeito Marcus Melo para tratar de obras ligadas ao município.

Elas Podem”
A atuação da mulher junto a diferentes causas sociais será o tema de uma live (transmissão ao vivo) que a vereadora Fernanda Moreno (PV) irá realizar na próxima quinta-feira, às 19 horas, por meio de seu perfil no Facebook (@fernandamorenofer). Farão parte do terceiro evento da série “Elas Podem”, Valeriana Alves, coordenadora municipal da Pessoal com Deficiência e Mobilidade Reduzida; Fabíola Passos, psicóloga; e Rosana Pierucetti, presidente da ONG Recomeçar.

Previdência
Os 36 integrantes da bancada federal do PSD -entre eles o mogiano Marco Bertaiolli – reúnem-se hoje, em Brasília, para se posicionarem em relação ao projeto de reforma da Previdência Social do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Tudo indica que o partido irá se mostrar favorável à proposta, desde que ocorram alterações em dois pontos: o Benefício de Prestação Continuada (BPC), para idosos e deficientes, e a aposentadoria de agricultores.

Frase
Informação é arma da cidadania.
Carlos Alberto Di Franco, em artigo publicado na edição de ontem do Estadão