ALERTA

Mogi das Cruzes concentra maioria dos casos confirmados do novo coronavírus no Alto Tietê

30 de enero 2020rSubsecretaria Paula Daza, visitando laboratorio de ispch que cuenta con nueva tŽcnica de PCR para confirmaci—n diagn—stica de nuevo coronavirus r Fotos: Alejandra De Lucca V. / Minsal 2020

Mais da metade dos casos já confirmados do novo coronavírus (Covid-19) no Alto Tietê está concentrada em Mogi das Cruzes. Dos 53 pacientes diagnosticados até a noite de ontem na região, 31 residem no município. As outras 22 ocorrências se distribuem nas cidades de Arujá (4), Biritiba (1), Ferraz de Vasconcelos (2), Itaquaquecetuba (6), Poá (1), Santa Isabel (1) e Suzano (7).

A região confirmou 11 novos casos da doença nesta quarta-feira (1), resultando em elevação de 26% – maior do que a observada no dia anterior, de 23%. Os dados divulgados pelo Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) apontam que o total de pessoas infectadas segue crescimento acentuado.

No estágio atual da pandemia do coronavírus, a maioria dos países e o Brasil segue em fase de crescimento exponencial, em que todos os dias são registrados números maiores de novos casos que na véspera.

O número de notificações totais da doença no Alto Tietê também cresceu. O total saltou ontem de 1.263 para 1.381. Deste volume, 502 aguardam resultado de exames, 615 são casos leves que não tiveram amostras colhidas e ao menos 211 foram descartados.

De acordo com o consórcio, nenhum novo óbito atrelado ao novo coronavírus foi registro na região – porém atualmente ao menos 19 mortes são investigadas pelas Vigilâncias Epidemiológicas Municipais.

Mogi das Cruzes possui uma confirmação a mais da doença que Guarulhos – uma das maiores cidades do país, que também integra o Condemat, e registra número significativamente maior de notificações totais da doença – 1.683 contra 291 em Mogi. A diferença de população nas duas cidades é de aproximadamente 750 mil pessoas (veja quadro).

Estado

O número de óbitos pelo novo coronavírus no Estado de São Paulo subiu para 164, segundo balanço divulgado ontem pela Secretaria de Estado da Saúde. O montante representa elevação de 21% na comparação com o dia anterior. Foram confirmadas 28 mortes – o maior aumento em números absolutos verificado durante um período de 24 horas.

Entre os 164 mortos, 20 tinham mais de 90 anos; 50 estavam na faixa de 80-89 anos; 45 entre 70-79 anos; 32 eram pacientes de 60-59 anos. Outros 17 tinham idade equivalente ou inferior a 59 anos, todos com comorbidades que, assim como os idosos, representam grupo mais vulnerável a complicações da Covid-19. O total soma 96 homens e 68 mulheres.

São Paulo também registrou até a noite de ontem 2.981 casos confirmados, um aumento de 27% com relação ao dia anterior.


Deixe seu comentário