CORPO DE BOMBEIROS

Mogi quer a escada magirus de volta

Vereador questiona o paradeiro do equipamento do Corpo de Bombeiros para atender ocorrências em prédios altos. (Foto: Arquivo)
Vereador questiona o paradeiro do equipamento do Corpo de Bombeiros para atender ocorrências em prédios altos. (Foto: Arquivo)

“Onde está a escada Magirus que pertencia ao Corpo de Bombeiros de Mogi?” Este foi o questionamento que o vereador Caio Cunha (PV) fez durante a sessão de ontem da Câmara Municipal. O parlamentar disse que ela não foi localizada na Cidade e que nem mesmo os integrantes da corporação sabem dizer o que aconteceu com o equipamento, utilizado para atender casos de incêndio em edifícios.

Para tentar desvendar esse mistério, Cunha disse que vai encaminhar uma moção pedindo explicações sobre o paradeiro da escada ao comando-geral dos Bombeiros e da Polícia Militar do Estado, Casa Militar e Coordenadoria da Defesa Civil e também a todos os deputados estaduais do Alto Tietê.

O vereador contou que foi abordado sobre a questão por um morador da Cidade, que diz ter ido fazer uma visita ao Corpo de Bombeiros, localizado no Shangai, e ao chegar lá pediu para ver a famosa escada, mas ela não estava no local.

Ao tomar conhecimento do acontecido, Cunha pediu para sua assessoria ir atrás da informação. Questionado sobre o assunto, recebeu informações de bombeiros do Shangai que a Magirus estaria no posto dos Bombeiros instalado em Braz Cubas. Porém, quando foi conferir, ficou sabendo que ela também não se encontra no local.

O problema, segundo ele, é que ninguém tem informações sobre o que aconteceu e nem sabe para onde o equipamento foi levado. “Essa é a pergunta que não quer calar. Os bombeiros disseram que Mogi não tem mais essa escada. A Magirus é um equipamento que a gente não quer que use, mas quer que esteja aqui especialmente porque na Cidade é grande o número de prédios”, observa.

Cunha relatou ainda um incêndio que aconteceu em Mogi em julho de 2008, quando um apartamento do Condomínio Espanha, no Mogilar, onde ele morava, pegou fogo. “Me lembro que tive a oportunidade de ver a escada sendo usada logo depois que ela chegou em Mogi, entre 2003 e 2005. Na ocasião, alguns moradores desesperados com o fogo estavam ameaçando pular da janela, mas conseguiram sair com a ajuda da Magirus”, relatou.

O vereador do PV espera que a escada seja devolvida ao Município. “Temos que considerar que a verticalização da área urbana de Mogi das Cruzes torna o equipamento indispensável para a segurança da Cidade e de seus moradores”, destaca.

Com a mesma indignação de Cunha, os outros vereadores também esperam uma resposta rápida para o “mistério”. Mauro Araújo (MDB), José Antônio Cuco Pereira (PSDB) e Otto Flores Rezende (PSD) se manifestaram sobre essa questão em plenário. Todos destacaram a necessidade desse importante equipamento usado para combater incêndio e resgatar as vítimas de prédios mais altos.

Eles relembraram a luta e a campanha feita por este jornal no início do ano 2000 para trazer a escada à Cidade.

Depois da campanha feita por O Diário, a Magirus foi enviada a Mogi com vários problemas, precisando de ajustes e dependendo de computador para funcionar. Para colocá-la em operação, na época, os empresários e comerciantes da cidade se mobilizaram para consertar e realizar a manutenção do equipamento.