DESTAQUE

Mogiana se classifica para disputar Mundial Juvenil de Xadrez na Índia

Isabelle Tomarozi conquistou vaga para representar o Brasil em campeonato na Índia entre os dias 14 e 26 de outubro. (Foto: Eisner Soares)
Isabelle Tomarozi conquistou vaga para representar o Brasil em campeonato na Índia entre os dias 14 e 26 de outubro. (Foto: Eisner Soares)

A mogiana Isabelle Tamarozi, de 20 anos, conquistou uma vaga para representar o Brasil no Campeonato Mundial Juvenil de Xadrez, uma das competições esportivas que mais exige técnica, pensamento estratégico e raciocínio lógico. O evento será sediado em Nova Deli, na Índia, entre os dias 14 e 26 outubro.

Isabelle evidencia Mogi das Cruzes profissionalmente há 10 anos. Ela foi a primeira mogiana a se tornar campeã paulista e brasileira no esporte. Encerrou seu último ano de categoria com 100% de aproveitamento: sete vitórias em sete partidas. Nesse mês, venceu o campeonato brasileiro sub 20. A vitória a classificou para competir em nível internacional.

Começou os primeiros movimentos no tabuleiro quando tinha apenas sete anos, e hoje soma títulos em torneios de destaque da comunidade enxadrista. A estratégia do esporte consiste em definir e atingir objetivos de longo prazo durante uma partida, enquanto a tática concentra manobras imediatas no tabuleiro.

Atualmente, ela busca ajuda para as pagar despesas da viagem ao campeonato mundial. A organização do evento bancará a hospedagem e alimentação, porém a esportista ainda precisa arcar com passagens e taxas de inscrição. Para que isso seja possível, Isabelle e sua família criaram uma “vaquinha” online, em um site de arrecadamento coletivo, além de buscarem outras formas de arrecadar a verba.

“Seria uma oportunidade incrível poder representar meu país em algo desta magnitude, e a experiência adquirida tanto no xadrez como na vida serão ganhos indescritíveis”, destaca a jovem.

Cursando o 3º ano de Matemática Aplicada na Universidade de São Paulo (USP), a mogiana tem uma rotina corrida para equilibrar treinos, estudos e vida social. De segunda a sexta-feira, acorda às 4h30 e retorna para casa apenas às 21h30. Ela gasta cerca de duas horas para chegar até a aula. Seus finais de semana são mesclados entre descanso e mais estudos, isso quando não está em torneio. “Os dias passam voando e por causa dos estudos não tenho muito tempo útil para os treinos, por isso, aproveito cada minuto extra”, destaca.

Atualmente, ela vende brigadeiros na universidade para ajudar as pagar a viagem. “Faço o doce quando chego em casa da universidade. Isso tira parte do meu tempo, mas é por uma boa causa”, diz a esportista.

“Não consigo narrar as experiências que já vivi graças ao xadrez. Conheci muitos lugares e pessoas. O esporte está na minha vida desde que me conheço por gente”, conta Isabelle. “Sou suspeita para falar, mas o xadrez é realmente fascinante, com múltiplas faces para serem desvendadas, e aproxima as pessoas do mundo inteiro”.

Essa não é a primeira vez que ela viaja para fora do país para competir, porém “essa competição tem um peso especial. É uma oportunidade incrível poder estar de frente com as melhores”, diz a jovem.

“Essa é uma comunidade muito gostosa de participar. Me admira que não importam nossas diferenças, todos podem competir frente a frente no tabuleiro”, comenta. Ela incentiva que as pesssoas conheçam um pouco do esporte e dá uma dica aos iniciantes. “Não desanimem, não desistam, o retorno por se dedicar é gratificante”, diz. Isabelle acredita que é parte da natureza humana a paixão por aprender algo novo, “por isso é tão recompensador”, diz ao recomendar que “todos busquem o seu melhor naquilo em tudo aquilo que gostem de fazer”.

Em 2007, Isabelle participou pela primeira vez de um dos mais importantes torneios escolares já realizado até então: Copa Ayrton Senna Escolar de Xadrez em São Paulo/SP, com mais de 1200 inscritos. Foi campeã. Repetiu o feito no ano seguinte. Depois de associada à FPX (Federação Paulista de Xadrez), ela participou de seu primeiro torneio federado em 2009, o Campeonato Paulista de Categorias (Sub 10), e venceu novamente. Hoje, aos 20 anos, a esportista já participou de centenas de torneios e campeonatos com inúmeras conquistas.

Às sextas, ela participa do Clube de Xadrez de Mogi das Cruzes (CXMC). Um encontro de entusiastas, realizado às 19 horas, no Centro Cultural de Mogi das Cruzes. O pai de Isabelle, Claudio Tamarozi, é presidente e fundador da organização, e responsável por introduzir e ensinar o esporte para a filha.

Tamarozi também já participou de torneios e foi o primeiro da cidade a fazer parte do quadro de árbitros da CBX (Confederação Brasileira de Xadrez). Hoje, ele se dedica ao ensino e difusão do xadrez para as gerações mais novas. O presidente destaca que a prática desenvolve várias habilidades, contribuindo para a memória, concentração, planejamento e tomadas de decisões de cada pessoa. “Além dessas diversas matérias, o aspecto lúdico e socializante é sempre destacado”.

Ele acredita que o xadrez mogiano seja a modalidade que mais tenha conquistado medalhas nos Jogos Regionais e Abertos do Interior. “O CXMC tem se destacado como referência no esporte do Alto Tietê”, completa o presidente da instituição, que teve o primeiro contato com a modalidade quanto tinha 7 ou 8 anos.

Os interessados em apoiar a jornada da enxadrista Isabelle Tamarozi podem contribuir na vaquinha online, por meio do site http://vaka.me/680121. Ela busca arrecadar R$ 7,5 mil para bancar a taxa de inscrição e viagem para Nova Déli, na Índia. Até a publicação dessa edição, a mogiana já arrecadou R$ 4.110,00. A vaquinha estará no ar até o dia 15 de setembro.

Clube incentiva a prática do esporte na cidade
O Clube de Xadrez de Mogi das Cruzes (CXMC) é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 2007, que tem como uma de suas principais finalidades o incentivo, a promoção e o desenvolvimento da prática do xadrez na região. A ONG atua em diversas áreas e realiza parcerias com grupos sociais e educacionais para o uso da modalidade como ferramenta pedagógica de ensino e promoção social.

“Hoje, graças ao apoio entre as secretarias municipais de Esportes e Lazer, de Cultura e de Educação e CXMC, o xadrez mogiano pode se orgulhar de estar em destaque no cenário nacional. Claro que há muito ainda a ser conquistado, mas creio que avançamos muito nesses últimos 12 anos”, diz Claudio Tamarozi, presidente e fundador da organização.

O clube realiza encontros semanais no Centro Cultural de Mogi das Cruzes, às sextas-feiras, às 19 horas, de forma gratuita para públicos de todas as idades. O espaço, que recebe pessoas de diversas cidades, incentiva o convívio social. “É um espaço muito bom, muitas pessoas chegam aqui de forma tímida, mas encontram verdadeiros amigos”, diz o presidente.

Além disso, o CXMC tem se destacado também pelo apoio e incentivo ao esporte de alto rendimento, tendo revelado inclusive, diversos campeões. A partir de 2012, devido a sua importância, a organização foi declarada de utilidade pública pelo município de Mogi das Cruzes.

“O xadrez de Mogi talvez seja a modalidade que mais tenha conquistado medalhas nos Jogos Regionais e Abertos do Interior. Além disso, o CXMC tem se destacado como clube referência no esporte do Alto Tietê”, destaca o presidente.

Difundido no mundo inteiro, o xadrez também é considerado uma arte e uma ciência, que exige concentração e estratégia, além de muito treino e dedicação. Prova disso é a história da filha de Claudio, Isabelle Tamarozi, que se dedica arduamente na prática e se desafia constantemente para melhorar seus índices como esportista profissional.

Aliás, é cientificamente comprovado que a modalidade proporciona vários benefícios à saúde. O campeão mundial Magnus Carlsen, por exemplo, tem uma tese que treinar o cérebro é tão importante quando treinar o corpo. Ele ainda diz, “o cérebro é como um músculo, se você não o usar, pode perdê-lo”.

Enxadristas ganham destaques em vários campeonatos

Mogi das Cruzes tem destaques no xadrez. Ed Benitez é jogador experiente, grande incentivador e referência para o esporte na cidade. Ele tem inúmeras participações nos Jogos Regionais e Abertos. Isabelle Tamarozi, a primeira mogiana a sagrar-se campeã paulista e brasileira, atualmente é a 6ª colocada no ranking brasileiro feminino e destaque de alto rendimento no esporte.

Já Thifanni Nakata, atual 33ª do ranking brasileiro feminino, foi campeã paulista e brasileira além de obter várias conquistas. Alexandre Fagundes, técnico das seleções masculina e feminina de Mogi, é instrutor de xadrez em diversas entidades educacionais, vice-presidente do CXMC e um dos maiores nomes do xadrez na cidade; entre outros.