MOVIMENTO

Mogianos fazem ato em apoio à greve

Amanhã, os professores de Mogi contrários à Reforma da Previdência e aos cortes na Educação devem ser concentrar às 9 horas para uma caminhada, com início às 10h, no Largo do Rosário. Já os estudantes que também se posicionam contra a proposta do Governo Federal se reunirão no Largo do Carmo e, em seguida, irão ao encontro dos professores.

O objetivo do ato é chamar atenção para a greve nacional que deverá ser aderida por diversas classes trabalhadoras nesta sexta-feira. Em Mogi, os efeitos também poderão ser sentidos pela população, já que os sindicatos dos Rodoviários e o Central do Brasil, além do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) sinalizaram a favor do movimento.

Com isso, os ônibus municipais e intermunicipais não estarão em funcionamento durante toda a sexta-feira. O mesmo acontece com os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), já que na semana passada o Sindicato Central do Brasil – que representa as linhas 12-Safira, 13-Jade e 11-Coral, que liga Mogi à Capital – também confirmou que decidiu pela greve.

Outro ponto da manifestação são os cortes efetuados na Educação pelo Governo Federal. Nas últimas manifestações dos educadores em Mogi houve adesão de quase 80%.

Região

A Frente Suzano Contra a Reforma da Previdência, formado por sindicatos e movimentos sociais, também promove nesta sexta-feira um ato da greve geral na cidade. A concentração será a partir das 9 horas, na Praça dos Expedicionários. A mobilização é convocada pelas centrais sindicais e pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Em Suzano, a paralisação já conta com adesão dos Sindicatos das seguintes categorias: professores da rede pública estadual (Apeoesp); servidores públicos municipais; metalúrgicos; construção civil; papeleiros; refeições; químicos e vidreiros; além da Central Pró-Moradia Suzanense (Cemos), Central de Movimentos Populares (CMP) – Alto Tietê e de movimentos de juventude da cidade como Afronte e JPT.

À tarde, muitos dos manifestantes vão para São Paulo, onde haverá um ato da greve geral que começa às 16 horas no vão livre do Masp, na avenida Paulista.