CAMPANHA

Movimento “Pedágio Não” quer chegar a dez mil assinaturas

LOCAL VISADO A instalação de pedágio na rodovia Mogi-Dutra consta no projeto da Artesp. (Foto: arquivo)
Proposta da Artesp prevê a instalação de uma praça de pedágio no quilômetro 45 da rodovia Mogi-Dutra. (Foto: arquivo)

O movimento “Pedágio Não” deverá aumentar o número de pontos em Mogi das Cruzes e a quantidade de cidades que vão disponibilizar o abaixo-assinado para conseguir mais adesões contra a proposta de construção de uma praça de cobrança de tarifas no Km 45 da rodovia Mogi-Dutra, defendida pela Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp).

A meta é chegar a 10 mil assinaturas até o final deste mês, prazo estabelecido pela Agência para concluir o estudo sobre o projeto. Até a semana passada, a lista ultrapassava as 6.5 mil assinaturas coletadas na área central, durante ações promovidas por representantes do movimento, como no caso dos ‘adesivaços’, e nos encontros realizados para discutir o assunto com entidades de diversos segmentos.

Um dos organizadores do movimento, Paulo Boccuzzi explica que a notícia publicada em O Diário no domingo e a divulgação feita em redes sociais sobre a ampliação de 15 novos de assinatura chamou atenção e incentivou outros estabelecimentos na cidade. Ele disse que nos próximos dias Mogi terá mais de 20 pontos de coleta, que também será feita nos municípios vizinhos como Itaquaquecetuba, Suzano, Biritiba Mirim, Arujá, entre outras da região, também afetadas pela implantação da cobrança em Mogi das Cruzes.

Um desses pontos é a concessionária de veículo Romeiro Multimarca, localizada no Alto Ipiranga. O vendedor Sidnei Rodrigues disse que a maioria das pessoas que estiveram no local ontem assinaram o documento, que já ultrapassou as 30 nomes.

O mesmo ocorreu na Auto Escola Trânsito Seguro, na rua Navajas, onde o diretor de ensino Luciano Garcia Machado contabiliza mais de 45 assinaturas. Segundo ele, há uma procura expontânea para se aderir ao movimento.

O Governo do Estado tem sinalizado que poderá mudar o posicionamento inicial, justamente por causa da forte pressão popular contra o estudo que prevê a instalação do pedágio na Mogi-Dutra no pacote de concessão das rodovias litorâneas.


Deixe seu comentário