INFORMAÇÃO

Movimento pela Educação começa na Câmara de SP

NO AR O Pico do Urubu voltou a ser utilizado, neste final de semana, como ponto de partida para voos de parapente sobre a cidade e região. (Eisner Soares)
NO AR O Pico do Urubu voltou a ser utilizado, neste final de semana, como ponto de partida para voos de parapente sobre a cidade e região. (Eisner Soares)

Proposta é valorizar o tema e eleger políticos compromissados com ele

A estudante mogiana Maria Luiza Fernandes, ex-aluna da Escola Estadual Dr. Deodato Wertheimer, da Vila Industrial, atualmente cursando Administração Pública na Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, vai participar, nesta sexta-feira, do lançamento da Bancada da Educação, na Câmara Municipal da Capital. Trata-se de um movimento suprapartidário, articulado em defesa da educação, que promete se opor a grupos como as bancadas da bala e evangélica. “A meta é fazer da educação a prioridade no País”, diz Luiza, afirmando que este será o primeiro passo no sentido de estender o movimento para outras câmaras municipais e, em direção às assembléias legislativas e Câmara Federal. Além de acompanhar os trabalhos dos legisladores voltados para o setor educacional, outro objetivo do grupo será o lançamento de candidatos comprometidos com a educação, a partir das próximas eleições municipais, se estendendo para os futuros pleitos. De Mogi, também foram convidados a participar do movimento o vereador Caio Cunha (PV) e a ex-dirigente regional de Ensino, Rosania Morales. Outro objetivo é trazer o tema educação para ser discutido nas cidades, por professores, ativistas e políticos, tendo como referência a preocupação com as melhorias na área do ensino, especialmente o público. Nascido em São Paulo, por iniciativa de Miguel Thompson, diretor executivo do Instituto Singularidades, para quem “as primeiras ações efetivas da Bancada visam o apoio e eleição de vereadores que tenham a pauta de educação como centro e a discussão sobre o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)”. O convite para Maria Luiza, integrante de um grupo de jovens mogianos preocupados com a renovação da política local, foi resultado de seu trabalho junto a estudantes da rede oficial de Ensino, por meio do projeto Comunidade Reinventando a Educação (Core), que possui muitos pontos em comum com as propostas da Bancada da Educação.

Mais aventura

Nem tudo foram flores na viagem de volta do padre cantor Alessandro Campos para São Paulo, a bordo de seu fuscão preto, ano 72, comprado da proprietária de um bar, na cidade de Tiradentes, em Minas Gerais. Entre muitas dificuldades nos aclives e certa facilidade nas descidas, o religioso ainda teve de enfrentar a rigidez de um guarda rodoviário mineiro, que lhe aplicou uma multa por causa dos pneus carecas do veículo. Apesar de tudo, o carrinho ainda conseguiu chegar inteiro à propriedade rural do padre, em Lorena, no Vale do Paraíba, onde foi deixado para receber uma revisão geral e… novos pneus, é claro.

No livro

A cientista política Thamara Strelec é autora de um dos capítulos do livro “Consórcios Intermunicipais e Políticas Públicas Regionais”, lançado na última segunda-feira, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. O artigo da mogiana mostra experiências internacionais de cooperação intergovernamental. Durante o evento foi lançada a Frente Parlamentar de Apoio aos Consórcios Intermunicipais, liderada pelo deputado estadual Mauro Bragato (PSDB)

Samu

O Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa, Tecnologia e Inovação na Gestão Pública (INTS) apresentou a melhor proposta ao chamamento público destinado a escolher a organização social passará a operacionalizar as atividades do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o Samu – 192 Regional de Mogi. O INTS somou 83 pontos contra 71 da segunda colocada na disputa, a Sociedade Beneficente Caminho de Damasco (SBCD).

Novo filme

Ao comentar o novo filme que deverá contar a trajetória de sua vida, o desenhista Mauricio de Sousa, entrevistado na edição de ontem do Estadão, lembrou das histórias de sua infância contadas por ele em artigos semanais, em O Diário. As crônicas que eram publicadas sempre aos domingos, no Caderno A, ilustradas pelo próprio Mauricio, deram origem a dois livros: Navegando nas Letras I e II.

Frase

Ao errar na dose, faz como remédio que se torna um veneno e mata o paciente.

Raquel Dodge, procuradora-geral da República, ao criticar o projeto de lei sobre abuso de autoridade aprovado, no dia 14, pela Câmara Federal