INFORMAÇÃO

Mudança à vista na estruturação do PSL

Antes mesmo de ser oficializada em convenção municipal, a composição inicialmente prevista para o Diretório do PSL de Mogi das Cruzes poderá sofrer alterações. E a principal delas está relacionada justamente ao presidente, o coronel da Reserva da PM, Silvio Arroyo, que devido a complicações de saúde, deverá ser substituído no cargo, ao menos temporariamente. O nome mais cotado para assumir a futura presidência do PSL é o de Carlos Nakahada, também coronel aposentado da PM e atual diretor do Departamento de Normas Técnicas da Prefeitura de Mogi. E, a julgar pelo que apurou a coluna, Nakaharada estaria disposto a assumir a nova missão. Mais ainda: já teria até convidado Henrique Borenstein para se filiar ao partido do presidente Jair Bolsonaro. O empresário disse estar “lisonjeado” com o convite e prometeu uma resposta dentro das próximas semanas. Com interlocutores mais próximos, Nakaharada já teria comentado sobre o lançamento de uma “chapa pura” para concorrer à Prefeitura nas próximas eleições. E não será surpresa se o candidato a prefeito vier a ser um militar, como parece convir ao partido. A reviravolta na estruturação já encaminhada do partido em Mogi ocorreu semanas atrás, quando Silvio Arroyo teve de submeter-se a uma série de exames cardiológicos que apontaram índices de colesterol muito elevados e obstrução em uma de suas coronárias. A princípio, chegou-se a aventar uma angioplastia (para colocação de stents, pequenas molas na parte interna das veias, destinadas a eliminar obstruções), mas o procedimento foi descartado pelo médico, que optou por um tratamente à base de medicamentos específicos, recomendando cuidados especiais ao paciente. Silvio optou por comunicar a situação ao deputado federal, coronel Tadeu, braço direito do senador major Olimpio, todos do PSL, que deixou sob sua responsabilidade o encaminhamento da própria substituição no comando da agremiação.

Memória

Há exatos 18 anos, falecia um dos mais importantes políticos mogianos. Vítima de um câncer no pulmão, Waldemar Costa Filho deixou um legado de obras e muitas histórias, após governar a cidade por 18 anos, durante quatro mandatos como prefeito, um dos quais prorrogado por dois anos. As rodovias Mogi-Dutra e Mogi-Bertioga, a avenida Narciso Yague, os prédios da Prefeitura, Câmara e Justiça do Trabalho, são algumas das muitas realizações de seus governos.

Sucata

O projeto Garimpeiro do Ferro Velho, aprovado pelo Proac, deu origem ao livro “Lúcio Bittencourt”, a ser lançado no próximo mês de junho, em Mogi. Produzida a seis mãos pelo trio Roberta Regato (projeto), Robson Regato (edição e conteúdo) e Laílson Santos (fotos), a obra mostra ao longo de 192 páginas, a história do trabalho do escultor Lúcio Bittencourt, especializado em produzir, no seu ateliê, no bairro do Botujuru, verdadeiras obras de arte utilizando sucata como matéria-prima.

Objetivo

O curso de Gestão de Cidades, feito por ele na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) de São Paulo, abriu novos caminhos para o vereador Antonio Lino da Silva (PSD), que concluiu recentemente dois outros cursos naquela instituição, sobre legislação ambiental e a influência das redes sociais na administração pública. Lino continua estudando e se preparando para concretizar o seu maior sonho: ser prefeito de Mogi, algo que ele poderá tentar, pela primeira vez, no próximo ano.

Pode isso, prefeito?

Sinais dos tempos atuais: o vereador Renato Caroba (PT) usou a tribuna da Câmara de Arujá, na quarta-feira, para questionar o projeto de lei de autoria do prefeito José Luiz Monteiro (MDB) que, segundo ele, “tira recursos do orçamento da Educação para a compra de munição para a Guarda Civil Municipal”. Caroba lembrou que a pasta enfrenta falta de verbas orçamentárias e criticou as más condições dos prédios escolares. “Precisamos estar munidos de livros, de uma boa estrutura, qualificação e condições de trabalho em nossas escolas; e não de armas”, disse ele.

Acredito que estrangular o trânsito em frente a uma base da Polícia Rodoviária não tem lógica e nem faz sentido.

Benedito Faustino Taubaté Guimarães (MDB), questionando o afunilamento do tráfego da Mogi-Bertioga junto ao posto policial que provoca congestionamentos