EDITORIAL

Muita calma e informação

Calma e atenção aos cuidados básicos de higiene são as valiosas recomendações de autoridades médicas diante do avanço do coronavírus, o Covid-19, que se espalha por diversos países do mundo a partir dos primeiros da China. Pela primeira vez, uma nova doença surge e topa com uma barreira histórica composta pelas fakenews e o destempero generalizado das relações sociais marcadas pela facilidade da propagação das informações inverídicas e desqualificadas, a xenofobia, a aversão a fontes oficiais e até científicas, e etc.

Combater o desespero e a desinformação é o maior desafio lançado ao mundo desde o final do ano passado quando os casos e mortes de idosos começaram a ser registrados na China. Ali mesmo, no nascedouro da doença, o médico Li Wenliang foi silenciado e vítima desses dois males (o desespero, a desinformação) em favor de interesses governamentais.

Tudo isso lembra a descoberta do HIV, quando o desconhecimento do vírus provocou catarse mundial. Hoje, a Aids, embora tratável, no Brasil, é um problema de saúde pública. Nos últimos oito anos, a transmissão da doença avançou 21%, enquanto no restante dos países, ela reduziu. Ou seja, a surpresa inicial passa e as recomendações médicas são destacartadas com o tempo.

Respeitadas as particularidades entre episódios, como o do Ebola, que tem letalidade de 51% das vítimas, enquanto o coronavírus, segundo as pesquisas ainda inconclusivas, chega a 2%, uma ameaça à saúde mundial requer toda a atenção. Uma doença nova e sem antídoto para cura mata pessoas, destrói famílias, afeta mercados financeiros e a economia mundial.

Cuidados de higiene são salutares para prevenir essa e muitas outras doenças e a busca pela informação gabaritada é remédio certo contra uma situação grave, de fato, mas possível se ser transponível, com responsabilidade e hábitos simples como lavar as mãos com frequência e proteger com as mãos ou lenços descartáveis o nariz e a boca quando tossir ou espirrar. Dicas que valem para as gripes e doenças contagiosas, como o sarampo.


Deixe seu comentário