CARTAS

Na marca do pênalti

Desde a Copa do Mundo, na Rússia, que a seleção brasileira, dirigida por Tite, não vem apresentando um bom futebol. E continua decepcionando, como nestas duas recentes partidas amistosas disputadas em Cingapura, em que o Brasil empatou melancolicamente com Senegal, que dominou o jogo; e agora, no domingo, contra a Nigéria, em que a nossa seleção saiu atrás do marcador, conseguiu empatar graças a um gol salvador de Casemiro. E não pode servir de desculpas que aos sete minutos de jogo, com lesão na coxa, Neymar teve que ser substituído. O problema é que Tite não consegue fazer o Brasil brilhar…

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

Política

Parabéns ao arcebispo de Aparecida, dom Orlando Brandes, pelo seu pronunciamento no Dia de Nossa Senhora Aparecida.

O arcebispo condenou a direita “violenta e injusta”.

João Baptista Herkenhoff

jbpherkenhoff@gmail.com

Petróleo da Venezuela

Rafael Correa e Maduro, ambos bolivarianos, influenciando indígenas no Equador contra o presidente Lenin Moreno. A provável volta de Cristina Kirchner na Argentina, já tranquila no cardápio. Portanto, não é nenhuma aberração pensarmos que a Amazônia em chamas gritada pela esquerda mundial e naturalistas contra o Brasil segue um plano, principalmente agora que foi descoberto que o petróleo derramado nas praias do litoral brasileiro veio da Venezuela. Nada melhor do que também jogarem esse infortúnio nas costas do governo Bolsonaro, bem às vésperas das eleições municipais e principalmente no Nordeste, “reduto” do PT. Só se esqueceram que o petróleo tem DNA. Perderam!

Beatriz Campos
beatriz. campos@uol.com.br

Deixe seu comentário