PREMIUM

Novo Audi Q5 aposta na tecnologia

Audi Q5 (Foto: Eduardo Rocha/Autopress)

SUV conta com opcionais interessantes na versão Ambition que, no entanto, não mostra boa relação custo/benefício

Desde que foi lançado no mercado global, o Audi Q5 não enfrentou problemas para emplacar. Mas a marca admite que, no Brasil, a primeira geração não emplacou tanto quanto poderia. É verdade que, inicialmente, suas atenções estiveram voltadas para o menor Q3, que tem fabricação nacional. Mas agora, depois de lançar a segunda geração do Q5 no país, em agosto, pretende dar mais visibilidade ao modelo. Para isso, se apoia no vigor e na tecnologia embarcada, mesmo que opcionais. Principalmente na configuração de topo Ambition, que traz até um pacote de direção semiautônoma.

Apesar de ter mudado pouco, o visual é mais esportivo. A dianteira é marcada principalmente pela expressiva grade inteiriça e uma linha de ombro com curvas distintas e recortes reforçados. Os arcos das rodas pronunciados fazem uma referência ao sistema de tração integral quatro e, atrás, linhas horizontais transmitem a ideia de largura. As lanternas, com luzes direcionais dinâmicas, fazem parte do pacote inicial e a tampa do porta malas envolve as colunas traseiras, uma característica típica dos modelos da família Q. Um difusor de ar integra as saídas de escapamento.

O novo Q5 cresceu sutilmente em relação à geração anterior. São 34 mm a mais no comprimento, 4 mm a mais na altura e 12 mm a mais no entre-eixos, totalizando 4,66 metros de comprimento, 1,89 metro de largura, 1,66 metro de altura e distância entre-eixos de 2,82 metros (só a largura diminuiu em 5 mm). Construído sobre plataforma específica para motores longitudinais e ainda mais leve que a primeira versão, o utilitário esportivo perdeu aproximadamente 50 quilos, graças à adoção de mais aços de alta resistência e alumínio na carroceria.

A lista de itens de série contempla bons equipamentos. Sistema de climatização de três zonas, volante multifuncional e, para ampliar o espaço do porta-malas ou melhorar o conforto dos ocupantes de trás, o banco traseiro tripartido tem ajuste de ângulo de encosto. Com isso, dependendo de sua posição, o porta-malas tem sua capacidade entre 550 e 610 litros, ou 10 litros a mais que na geração anterior. Abertura e fechamento são elétricos, por meio de um botão.

Também de série é o moderno painel de instrumentos em tela de LCD colorido, chamado pela Audi de virtual cockpit. O equipamento, adotado em todos os últimos lançamentos da marca, tem monitor de alta resolução com 12,3 polegadas e é personalizável, mostrando as informações que o condutor deseja, em diferentes posições.

A central MMI tem tela de 8,3 polegadas, sendo acionada por um botão rotativo com “touchpad” integrado, que reconhece letras escritas à mão e alguns gestos, como o de dar zoom. A Audi resiste em usar uma tela sensível ao toque. Menos mal que o aparelho conta com controle de voz que reconhece aspectos usados na linguagem coloquial e se conecta à internet.

Entre os pacotes opcionais, o que mais impressiona é o que traz o Traffic Jam Assist, ou asssitente para engarrafamentos. Ele é capaz de assumir a direção em trânsito congestionado com velocidades de até 65 km/h. Já o Active Lane Assist ajuda a manter o carro em sua faixa. Alertas avisam o motorista quando a distância para outro veículo ultrapassa os limites para que a troca de faixa seja feita com segurança. Há ainda assistente de tráfego reverso, entre outras tecnologias.

Já o motor é 2.0 litros TFSI a gasolina, que rende 252 cv de potência e 37,7 kgfm de torque, disponíveis entre 1.600 e 4.500 rpm. Na verdade, ele é o único que equipa a linha – o RS Q5 se diferenciará com um 3.0 litros de 354 cv. Já a transmissão é a automatizada S tronic de sete velocidades, com dupla embreagem e comandos no volante para trocas manuais.

A tração é integral permanente Quattro, mas com tecnologia Ultra, que distribui a força para as quatro rodas conforme a necessidade e, quando não é preciso que seja diferente, adota a tração dianteira como padrão. Seis modos de condução podem ser selecionados pelo motorista por meio do sistema Audi drive select: off-road, comfort, efficiency, dynamics, auto e individual. E, assim como seus atributos, o preço do Audi Q5 também impacta: são R$ 292.990 iniciais, mas facilmente ultrapassados com os pacotes de opcionais disponíveis à parte. (Márcio Maio/AutoPress)

ALMA O visual mudou pouco no novo Audi Q5, tendo ficado mais esportivo, item reforçado pelo motor 2.0 litros de 252 cv de potência

PONTO A PONTO

Desempenho – O motor 2.0 TFSITFSITFSITFSI a gasolina de 252 cv de potência e 37,7 kgfm de torque é mais que suficiente para movimentar os 1.795 quilos do Audi Q5 Ambition. O SUSUV se mostra bastante esperto na cidade, principalmente em função do torque máximo aparecer já a partir de 1.600 giros. Por mais que tenha aptidões off-road e familiares, o modelo é bastante esportivo e parte do zero aos 100 km/h em apenas 6,3 segundos. A transmissão automatizada de sete velocidades, com dupla embreagem, faz bem a sua parte e garante trocas na hora certa e extremamente sutis. Nota 9

Estabilidade – O sistema de tração integral permanente Quattro traz, no Audi Q5, o que a marca alemã chama de “tecnologia ultra”. Segundo a fabricante, ela distribui a força para as quatro rodas de acordo com a necessidade. O sistema desengata o eixo traseiro quando não é necessário e o reativa automaticamente quando exigido. Seis modos de condução podem ser selecionados pelo motorista por meio do sistema Audi drive select. O resultado é um equilíbrio aparentemente perfeito em diversas situações. Complicado é se conter e não levar o SUSUV ao limite o tempo todo, porque seu comportamento é realmente instigante. Nota 10

Interatividade – Esse é um dos quesitos em que o Q5 Ambition decepciona. Principalmente no que diz respeito à central multimídia. Apesar de se tratar de um carro bastante tecnológico na mecânica, a tela não é sensível ao toque e é preciso operá-la por um comando giratório nada prático e que distrai o motorista. Fora isso, tudo é bastante prático e, ao mesmo tempo, avançado na versão. Nota 6

Consumo – O InMetro testou o novo Audi Q5 Ambition e aferiu média de 7,8 km/l de gasolina na cidade e 10,2 km/l na estrada, aplicando a nota “D” para a versão tanto na categoria quanto no geral. Em função do peso e do tamanho do carro, não chega a ser um resultado tão ruim. Mas quando se abusa demais do vigor do propulsor, esses números descem bastante. Nota 6

Tecnologia – A plataforma do novo Q5 estreou em 2015, no grandalhão Q7. A arquitetura prioriza maior rigidez com baixo peso e ela é compartilhada por outros modelos importantes do Grupo Volkswagen: Audi A4 e A8, Volkswagen Touareg, Bentley Bentayga, Porsche Cayenne e até o Lamborghini Urus. A tração integral é a mais moderna da marca alemã e há uma série de aparatos tecnológicos para garantir a segurança e as capacidades aventureiras do SUSUV médio. Nota 10

Conforto – Há um generoso espaço para pernas e cabeças de todos os ocupantes e três adultos conseguem viajar atrás sem apertos. Os bancos parecem abraçar motorista e passageiro, além de disporem de ajustes elétricos. O isolamento acústico se mostra eficiente mesmo em velocidades elevadas e a suspensão, dependendo do modo de direção escolhido, consegue filtrar parte dos impactos causados pelos desníveis das ruas. Nota 9

Habitabilidade – O acesso é facilitado pelas portas largas. No entanto, a altura do SUSUV pode ser uma dificuldade para passageiros mais baixos. Fora isso, o porta-malas acomoda entre 550 e 610 litros conforme o ajuste do ângulo de encosto do banco traseiro. Além disso, há boa quantidade de porta-objetos em seu habitáculo. Nota 8

Acabamento – O Audi Q5 Ambition traz painéis revestidos com primor e materiais de qualidade. O interior pode ser preto ou cinza e alguns detalhes entregam uma dose extra de charme. As portas possuem uma faixa cromada texturizada e materiais emborrachados. Há revestimentos em couro e, de maneira geral, o impacto é positivo. Não chega a ser um poço de sofisticação, já que a marca tem mesmo como hábito apostar em uma ideia mais chique, porém racional. Nota 8

Design – Algo que chama bastante atenção é o visual próximo ao do Audi Q7, que é bem maior. Faróis, lanternas e até o capô estão mais modernos, com linhas que apostam na vocação esportiva do modelo. De perfil, a linha de cintura sinuosa dá uma personalidade bem destacada ao SUSUV. Os itens de visual off-road são mais discretos do que em muitos modelos dessa categoria, harmonizando com uma imagem mais familiar e esportiva do Q5. Nota 9

Custo/benefício – Um SUSUV médio-grande em versão topo de linha de qualquer marca premium não é barato e quem opta por esse tipo de carro sabe disso. No caso do Audi Q5 Ambition, o preço parte de R$ 292.990, mas a lista de opcionais encarece ainda mais a conta. Nesse quesito, seu principal concorrente se tornou o novo Volvo XC60 T5 Drive-E R-Design, que pode sair cerca de 10% mais barato que um Q5 com opcionais, sendo que já sai de fábrica com mais itens de segurança. E também foi renovado recentemente, ou seja, também tem a seu favor o fator novidade. Nota 6

Total – O Audi Q5 Ambition somou 81 pontos em 100 possíveis.


Deixe seu comentário